Criança Feliz supera 42 milhões de visitas residenciais em 2020

0
37

O novo coronavírus exigiu do Criança Feliz uma série de adaptações para que as políticas de atenção à primeira infância continuassem sendo aplicadas de forma continuada e eficiente. A realidade do atendimento nas casas teve de ser ajustada para preservar a saúde das famílias e dos técnicos visitadores. O contato olho no olho, as conversas no sofá de casa, as orientações e dinâmicas com mães e responsáveis tiveram que ser modificadas.

Mesmo em meio às restrições impostas pela Covid-19, o Criança Feliz superou em 2020 a marca de mais de um milhão de crianças e gestantes acompanhadas, num total superior a 42 milhões de visitas residenciais com a missão de estimular o desenvolvimento cognitivo, motor e afetivo de crianças com idade de até 6 anos.

“É importante que as pessoas saibam que o programa não parou. Durante a crise sanitária foi produzido material de apoio para gestores e visitadores do Criança Feliz, com cards e apresentações instrutivas para não deixarem as famílias desatendidas durante este período. É importante frisar que é sempre necessário seguir a metodologia específica (observar, perguntar, escutar, elogiar, orientar), as diretrizes, os pilares e os objetivos do programa”, ressaltou a secretária Nacional de Atenção à Primeira Infância, do Ministério da Cidadania, Luciana Siqueira.

Foi dentro do cenário de isolamento social que Jamile Marques de Sousa entrou para a equipe de visitadores do programa em Águas Lindas de Goiás, no entorno do Distrito Federal. Para atender as famílias, nos últimos três meses, ela fez diferentes cursos a distância, como Capacitação para guia de visita domiciliar remoto; Conhecendo a família e a comunidade e Promoção do Desenvolvimento Infantil.

“Fiz os cursos on-line, com vídeos explicativos sobre a importância das visitas, como fazer os encontros e como funciona o programa. Aprendi como a nossa ação influencia no desenvolvimento da criança e como isso tem impacto na vida delas”, contou a visitadora.

Com informações do Ministério da Cidadania

Source: Portal Gov.br