Primeiros caças F-35 britânicos pousam à bordo do HMS Queen Elizabeth

As imagens divulgadas pelo MOD, mostram os jatos britânicos F-35 Lightning pousando, decolando e pairando a bordo do porta-aviões HMS Queen Elizabeth pela primeira vez, nesse domingo pela manã na costa leste dos EUA.

Pilotados pelos pilotos da Royal Navy e da Royal Air Force, os jatos Lightning estão embarcando para realizar testes operacionais na costa leste dos EUA .

Isso segue o programa de testes bem-sucedidos de desenvolvimento efetuado no ano passado com os jatos Lightning da U.S. Navy , nos quais realizaram 500 decolagens e aterrissagens durante o período de 11 semanas no mar.

Esses ensaios de vôo têm como objetivo testar de ponta a ponta a aeronave e o pessoal para garantir que a aeronave seja compatível com aa embarcação. Os testes envolvem o planejamento da missão, armar a aeronave usando o Sistema de Manuseio de Armas Altamente Automatizado do navio, missões de vôo e debriefing na conclusão.

Foto desse domingo pela manhã, na costa leste dos USA. via Mod Reino Unido & Royal Navy.

O embarque das aeronaves no HMS Queen Elizabeth fazem parte da implantação do ‘WESTLANT 19’ Carrier Strike Group. Uma vez totalmente operacional, o UK Carrier Strike Group será uma força formidável em todo o mundo, usando várias plataformas para trabalhar ao lado de nossos aliados.

Durante esse período, o porta-aviões será escoltado pelo destróier HMS Dragon do Tipo 45 , pelo caçador de submarinos HMS Northumberland, pelo petroleiro RFA Tideforce e Merlins dos esquadrões aéreos navais 814, 820 e 845, pelos Wildcats do esquadrão 815 e pelos Reais Fuzileiros Navais da companhia Lima, 42 .

A reunião do Lightning do Reino Unido no HMS Queen Elizabeth abre o caminho para a força aeronaval mais atualizada e totalmente integrada do mundo.

A aeronave Lightning opera com um design de ponta. É o primeiro jato a combinar a tecnologia furtiva que evita o radar com velocidade supersônica, bem como a capacidade de pousar na vertical. Dada a sua capacidade de realizar missões terrestres e marítimas, os jatos atuam como uma espinha formidável para a capacidade de ‘ataque de porta-aviões’. O Reino Unido possui atualmente 18 aeronaves, com um pedido adicional colocado por 30 jatos.

#td_uid_1_5da39a407deb4 .td-doubleSlider-2 .td-item1 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/10/2-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5da39a407deb4 .td-doubleSlider-2 .td-item2 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/10/3-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5da39a407deb4 .td-doubleSlider-2 .td-item3 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/10/4-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5da39a407deb4 .td-doubleSlider-2 .td-item4 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/10/6-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5da39a407deb4 .td-doubleSlider-2 .td-item5 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/10/7-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5da39a407deb4 .td-doubleSlider-2 .td-item6 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/10/8-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5da39a407deb4 .td-doubleSlider-2 .td-item7 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2019/10/9-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *