Relatório revela Força militar dos EUA classificada como “marginal” enquanto China e Rússia avançam

A Heritage Foundation divulgou no dia 30 de outubro, relatório de 500 páginas, onde ela classifica todos os quatro ramos das forças armadas dos EUA e seu arsenal nuclear como “marginal” com base em recursos humanos, equipamentos e outros fatores.

Essa classificação está na metade de uma escala de cinco níveis, que vai da pior pontuação de “muito fraco” à melhor pontuação de “muito forte”. Na subcategoria de prontidão, o Exército obteve uma classificação “muito forte”, mas sua pontuação total ainda foi marginal. Os fuzileiros navais melhoraram sua pontuação geral de “fraco” desde o índice de 2018.

As forças armadas americanas estão mais fortes do que antes, mas carecem da capacidade de combater em mais de uma guerra com uma grande potência, enquanto adversários se tornam mais ambiciosos, de acordo com o Índice de força militar dos EUA de 2020.

“Como mãe, veterana e senadora dos Estados Unidos, posso dizer que o Índice de Força Militar dos EUA deste ano destaca as ameaças reais que tiram o meu sono e o de muitas outras pessoas”, a senadora republicana Joni Ernst, presidente do subcomitê do senado de Serviços Armados para Ameaças e Capacidades Emergentes, disse em um evento vinculado à divulgação do relatório.

“Precisamos evitar as ameaças descritas e garantir que nossos aliados e adversários nunca questionem nossa determinação ou nossa capacidade”, disse Ernst.

“Não podemos permitir que amanhã seja o dia em que a China vai fazer um cálculo de que tomar Taiwan à força resultaria em qualquer coisa que não seja fracasso. Não podemos permitir que a Rússia decida que os Estados Unidos e nossos aliados da Otan recuariam após uma invasão russa aos países bálticos”, enfatizou.

A senadora republicana de Iowa se concentrou nas ameaças aos interesses dos EUA colocadas pela Rússia, China, Irã, Coreia do Norte e grupos terroristas – assim como o relatório.

“Ao comparar as ameaças colocadas pela Rússia e pela China, não se enganem”, disse Ernst. “Enquanto a estratégia da Rússia é prejudicar os Estados Unidos, a intenção da China é nos deslocar absolutamente. A China procura expandir-se para todos os lugares em que se considera que os EUA estão recuando.”

O relatório da Heritage pede que o Exército tenha 50 equipes de brigadas de combate; que a Marinha tenha 400 navios de força de batalha e 624 aeronaves de ataque; que a Força Aérea tenha 1.200 aeronaves de caça / ataque ao solo; e que os fuzileiros navais tenham 36 batalhões. Nenhuma dessas exigências seria um aumento dramático.

Uma veterana de combate da Guarda Nacional do Exército que rotineiramente critica desperdícios do governo, Ernst enfatizou que ser vigilante na área fiscal e vigilante da defesa não são mutuamente exclusivos.

Ela concordou com o relatório Heritage sobre a necessidade de modernizar as forças armadas e parar de gastar em equipamentos desatualizados. “Os esforços de modernização militar implementados pela Rússia e pela China deram frutos”, disse Ernst.

Esses adversários estão investigando capacidades que buscam compensar os pontos fortes e as vantagens militares americanas, disse ela.

A Rússia está investindo em armas hipersônicas, capacidades cibernéticas disruptivas e aeronaves modernas para projetar seu poder no exterior, empregando bombardeiros na Venezuela e na África do Sul, disse Ernst.

“O uso de guerra híbrida e de manipulação de informação juntamente com essas tecnologias oferece à Rússia uma vantagem assimétrica em muitas das regiões em que opera”, disse ela.

Ernst disse que a China “investiu rapidamente em mísseis balísticos contra navios, equipamentos hipersônicos e inteligência artificial, enquanto aumentou significativamente o tamanho e a capacidade de suas forças navais”.

“O objetivo: desafiar a primazia americana no Pacífico”, acrescentou. O Índice de Força Militar dos EUA não considera cálculos políticos de onde as forças armadas dos EUA estão ou deveriam ser implantadas, mas, em vez disso, faz uma análise de prontidão.

Desafio de lidar com mais de uma guerra

Em média, os EUA têm se envolvido em uma guerra a cada 15 anos desde que venceram a Guerra Revolucionária Americana, disse Dakota Wood, pesquisador sênior de programas de defesa da Heritage Foundation e editor do índice.

Desde a Guerra da Coreia, os EUA tiveram aproximadamente o mesmo tamanho de força de combate para cada conflito. Lidar com duas grandes guerras nos níveis atuais causaria uma tensão significativa, disse Wood.

Hoje, a Força Aérea tem o mesmo número de esquadrões que durante a Guerra Fria, disse ele.

“O que estamos dizendo é que os militares precisam ser maiores, precisam ter algo além de plataformas de 30 ou 40 anos e precisam ser capazes de treinar o suficiente para que sejam competentes”, disse Wood. “Porque se você deseja impedir o mau comportamento de outros, se eles não o consideram competente, não há dissuasão. Então você está realmente incentivando o tipo de mau comportamento que leva à guerra.”

O índice conclui que o Exército “continuou a aumentar sua prontidão”, mas afirma que ele “continua lutando para reconstruir a força final… e modernizar a força para melhorar a prontidão em algumas unidades para as operações atuais”.

Sobre a Marinha, o relatório diz que “os recursos humanos apresentam um problema potencial, assim como a obtenção de financiamento adequado para aumentar o número de navios na frota mais rapidamente”.

Sobre a Força Aérea, o relatório diz: “A escassez de pilotos e de tempo de voo degradaram a capacidade da Força Aérea de gerar o poder aéreo necessário para atender aos requisitos de guerra”.

Sobre os fuzileiros navais, diz: “A aviação permaneceu um dos maiores desafios para a corporação em 2019, impulsionada por desafios constantes de manutenção dentro de sua frota legada de aeronaves e por déficits no pessoal-chave de suporte de manutenção”.

Em relação à capacidade nuclear dos EUA, o relatório conclui: “Os EUA não estão tirando o máximo proveito das tecnologias atuais para produzir ogivas modernas que poderiam ser projetadas para serem mais seguras, com maior eficácia e que poderiam dar aos Estados Unidos melhores opções para fortalecer uma dissuasão convincente.”

O post Relatório revela Força militar dos EUA classificada como “marginal” enquanto China e Rússia avançam apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *