Navio com dois casos suspeitos do novo coronavírus atracará em Santos

O navio de bandeira chinesa Kota Pemimpin que tem dois tripulantes com sintomas suspeitos do novo coronavírus chegará à costa brasileira na tarde de hoje (16) e atracará amanhã (17), no Porto de Santos (SP).

Procedente de Singapura, o Kota Pemimpin esteve em portos chineses nos últimos 30 dias. O navio passou por Xangai em 17 de janeiro, Ningbo no dia 19, Yantian no dia 22; e Hong Kong em 23 de janeiro deste ano. Apesar de chegar hoje, o navio só poderá atracar a partir das 23h de amanhã (17), devido às condições de maré.

Segundo informações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o capitão do navio encaminhou ao órgão, na sexta-feira (14), a documentação exigida para a atracação no Porto de Santos. Após a análise do pedido, chamado de Livre Prática, foi possível verificar, por meio da Declaração Marítima de Saúde e do Livro Médico de Bordo da embarcação, a presença a bordo de dois tripulantes que apresentaram sintomas gripais, como tosse e dor de garganta.

“Por precaução e em observância ao dever de cautela exigido pelo atual cenário epidemiológico global, será feita a Livre Prática a bordo para verificação das condições de saúde dos tripulantes e higiênico-sanitárias da embarcação”, informa a Anvisa, em nota.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Santos informou que foi notificada pela Anvisa sobre o caso dos dois tripulantes com sintomas suspeitos do novo coronavírus e que vai apoiar a investigação epidemiológica na embarcação quando ela atracar no Porto de Santos.

Em nota, a secretaria destacou ainda que a rede municipal está preparada para atender casos suspeitos da doença e, na quarta-feira (12), participou de um simulado no cais santista organizado pela Anvisa.

Na sexta-feira (14), o Ministério da Saúde informou que investiga quatro casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus no Brasil. Das quatro pessoas ainda sob suspeita de ter o vírus, cujo epicentro ocorreu na cidade chinesa de Wuhan, há uma criança de 2 anos, um adulto de 56 anos e duas pessoas na faixa dos 20 anos. Duas pessoas são do sexo masculino e duas são mulheres. Todos têm histórico de viagem à China, mas não a Wuhan.

Quarentena

O Ministério da Defesa informou ontem (15) que os 58 brasileiros que regressaram da China e cumprem um período de quarentena em Anápolis (GO) seguem sem sintomas de contaminação pelo novo coronavírus.

Segundo a nota, os repatriados “passaram pelas avaliações clínicas previstas e permanecem com o quadro assintomático”.

As avaliações de saúde são feitas pelo Laboratório Central do Estado de Goiás (Lacen) em todos os 34 brasileiros resgatados e nos 24 profissionais, divididos entre tripulação, médicos e equipe de comunicação, que foram à China durante a Operação Regresso.

Os brasileiros que não apresentarem sintomas da doença serão liberados depois de 18 dias de isolamento. Eles estão hospedados na Base Aérea de Anápolis desde o último domingo (9).

Fonte: Valor

O post Navio com dois casos suspeitos do novo coronavírus atracará em Santos apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

0 Concorde 02 do Museu Delta de Athis-Mons

Quando algum aficcionado da aviação pensa no supersônico Concorde exposto em museus, logo vem em mente visitar o exemplar 01 (BAC-Sud Aviation Concorde prototype 001 F-WTSS) ou o exemplar “Sierra Delta” (n°213 – F-BTSD Air France), ambos preservados no Musée de l’Air et Espace de Le Bourget. 

Apesar de existirem outras aeronaves Concordes preservadas em diversos museus da Europa e dos EUA, uma das mais interessantes està  exposta em um museu que é considerado um dos menores do mundo, o Concorde 02 (fabricação de série francesa).
Este Concorde, era apenas um monumento no aeroporto de Orly desde 1976 até o ano de 1988, quando ficou exposto em um estacionamento pùblico externo do aeroporto (Parking P7 ao lado da Aérogare) junto com o jato Caravelle 01 (infelizmente destruido no final dos anos 70), quando finalmente em 1988 o local atual do Musée Delta foi estruturado para a realocação do Concorde 02, como de outras aeronaves expostas no Aeroporto de Orly.

O Museu Delta (Athis-Mons) é uma instalação realmente muito pequena, localizado nos arredores do aeroporto de Paris-Orly Sud, na cidade francesa de Athis-Mons, no departamento de Essonne e a região Île-de-France (Paris metropolitana), no extremo sul da pista 02/20, entre a estrada nacional 7 , chamada avenida François-Mitterrand e a estrada de serviço “E” do aeroporto. 

E o Musée Delta de tão pequeno, raramente chega a aparecer nas listas de museus oficiais e/ou de recomendações do meio aeronàutico. 

A maior facilidade em encontrà-lo é que basta ir até o final da linha 7 do tramway em Athis-Mons, e serà impossìvel não perceber o Concorde 02 se destacando na paisagem urbana local.
O Concorde 02 “F-WTSA”
Após os primeiros testes dos protótipos Concorde, o 001 na França em Toulouse — primeiro vôo em 2 de março de 1969, e o 002 na Inglaterra, efetuou o primeiro vôo em 9 de abril de 1969 (ou seja, seis semanas mais tarde), os técnicos confirmaram sua capacidade de operar uma aeronave de transporte civil para passageiros que voaria em velocidade supersônica, ou seja, no campo da aeronave militar mais eficiente, porque são duas vezes a velocidade do som, ou seja, Mach 2, mais de 2.200 quilômetros por hora que o Concorde deveria evoluir, com todas as restrições tecnológicas que isso implicaria na época.
O Concorde 02 da pré-série francesa, seria na realidade o quarto avião Concorde montado e o segundo na fàbrica da Aerospatiale em Toulouse, e que fez seu primeiro voo em 10 de janeiro de 1973 (quase treze meses após o 01) e que foi o ponto culminante dos estudos da tecnologia supersônica franco-britânica . Todos os aviões de produção em série, o primeiro dos quais, número 201, decolaria onze meses depois, em 06 de dezembro de 1973, serão idênticos em forma, silhueta e dimensões às aeronaves da pré-série francesa. 

O layout do interior seria diferente daquele dos protótipos, cuja fuselagem continha apenas instalações técnicas. De fato, o layout com duas cabines permitirá que a parte frontal seja usada para o equipamento necessário para os técnicos de teste de vôo e para a instalação de dispositivos de registro de parâmetros de vôo, a cabine de popa acomoda trinta e quatro assentos de couro, uma pequena área de estar na entrada e uma pequena cozinha na outra extremidade. Seu uso seria reservado apenas para ações promocionais aos passageiros VIPs convidados.

Antes de se aposentar, com um arranjo específico, incluindo uma vigia no nível do telhado, transformada em laboratório voador, permitirá em 30 de junho de 1973 uma equipe de astrônomos seguir por 75 minutos um eclipse do sol na África, durante um voo entre Las Palmas e N’Djamena.

Restaurado ao seu estado original, efetuou seu 397º e último vôo em 19 de outubro de 1973 entre Toulouse e Le Bourget, onde será entregue ao Museu Aéreo e Espacial após 812 horas de voo, incluindo 254 em velocidade supersônica.

Portanto, é o Concorde 02 que terá êxito nos testes de voo com uma nova configuração. 
Na verdade, comparado ao avião original, encontramos o novo nariz testado no dispositivo de pré-produção britânico, a envergadura aumentou e passou de 23,80 metros para 25,60 metros, a deriva é alguns centimetros mais alta , a nova cauda longa é instalada, e, com o novo nariz, o comprimento varia de 51,80 metros a 62,19 metros.
A porta de acesso traseira (escada tipo Caravelle) desaparece em favor de um volume interior utilizável maior.O peso máximo de decolagem aumenta para 177 toneladas (três anos depois, no final do período de teste, será aumentou para 182 toneladas) e a capacidade de carga de combustível também é aumentada.

Como resultado de todas essas mudanças, a estrutura geral é reforçada, assim como o trem de pouso. Esta aeronave, em sua nova configuração, é o primeiro Concorde a cruzar o Atlântico Norte sem escalas.

Para aviões em série, o peso máximo de rolamento será aumentado para 185.300 toneladas, para uma carga máxima de decolagem de 185.070 toneladas. O peso máximo vazio seria de 111.130 toneladas.

Uma carreria com ensaios extremos e resistência

Em 7 de fevereiro de 1974, ele deixou Toulouse rumo à Fairbanks, no Alasca (com escala em Keflavik- Islândia), onde realizou uma campanha de teste em condições muito frias (a temperatura média de -45 ° C). Ele então nas cores das duas companhias aéreas dos países fabricantes, a British Airways à direita e a Air France à esquerda. Vários vôos serão feitos no local, após uma semana de testes em terra. Um voo de ida e volta para uma demonstração em Anchorage em 15 de fevereiro lhe permitirá esticar o trem de pouso. Ele seguirá o caminho oposto ao retornar a Toulouse em 19 de fevereiro.

Foi seu 117º vôo em 21 de março de 1974, em Toulouse, que o viu cruzar a marca de 300 horas e seu 135º vôo em 20 de maio, 150 horas de voo supersônico.

 Em 26 de maio de 1974, ele deixou Toulouse para Paris – Roissy Charles de Gaulle, para iniciar uma campanha de voo de resistência, o último passo antes da certificação.

 A partir de Roissy, entre 27 de maio e 5 de junho de 1974, ele fará cinco viagens de ida e volta Paris – Dakar – Rio de Janeiro em menos de 6 horas de voo real, das quais, entre quatro e cinco horas em velocidade supersônica, apenas interrompido por uma parada técnica de 50 minutos em Dakar.

 Em 5 de junho, ele fez a viagem de ida e volta Paris – Rio – Paris no mesmo dia, uma rota de 18.200 quilômetros, partida de Roissy às 7 h 12 min, retorno a Roissy no mesmo dia às 21 h 58 min, que representa 11 h 20 min de vôo efetivo, incluindo 8 h 55 min de vôo em velocidade supersônica.

Foi durante esta campanha que ultrapassará 02 de junho, entre Dakar e Rio, durante seu 151º voo, as 400 horas reais.

 Seu 158º vôo o levará de Paris – Roissy Charles de Gaulle a Toulouse em 06 de junho de 1974, e é durante seu próximo vôo, após quatro dias de manutenção, que ele ultrapassará a marca de 200 horas de vôo supersônico.

Resumo das horas de vôo até 1975

Ele fará, de Toulouse, para o seu 308º voo, em 04 de dezembro de 1975, um link direto no Atlântico Norte, para uma segunda visita a Gander (localizado na parte canadense de Terra Nova), um voo de 2 h 49 min, incluindo 1 h 49 min de voo em velocidade supersônica. Esta é uma última campanha de teste em condições de baixa temperatura, mas especialmente em condições de tempestade de neve, com o trem de pouso estendido. Ele permanecerá no solo por quatro dias e, em seguida, fará dois vôos no local, o primeiro de 12 minutos em 08 de dezembro e o segundo de 1 hora e 49 minutos em 09 de dezembro.

Ele retomará a rota direta para Toulouse, para seu 311º voo, em 11 de dezembro de 1975.

 No final de seu terceiro ano de campanha de teste, ele realizará durante esses 97 voos por um tempo operacional de 103 horas e 50 minutos, incluindo 81 horas e 55 minutos de vôo efetivo e 24 horas e 42 minutos de vôo supersônico. .

 No momento do seu 311º voo, o último de 1975, o tempo total de operação era de 650 horas e 33 minutos, incluindo 604 horas e 47 minutos de vôo real, com 278 horas e 17 minutos de vôo em velocidade supersônica.

Os últimos vôos 

Realizou seu 312º vôo, o último de longa duração, em 7 de janeiro de 1976. A duração efetiva seria de 3 h 21 min com 2 h 21 min em velocidade supersônica.

 Agora, 21 de janeiro de 1976 marcaria um grande dia na vida do ” Concorde 02 ”. De fato, este é o dia em que o primeiro voo comercial de aeronaves em série ocorre pelas duas companhias aéreas dos países que fabricam o supersônico. Esses serão os vôos, com decolagem simultânea Londres – Bahrain para a companhia britânica British Airways e Paris – Dakar – Rio de Janeiro para a companhia francesa Air France. 

 O Concorde 02 efetuou um último vôo de teste, de duração média, seu 313º em 29 de janeiro de 1976, partida e retorno Toulouse após 2 horas e 09 minutos de vôo real, incluindo, pela última vez, 44 minutos de vôo em velocidade supersônica .

Após realizarem a retirada de alguns equipamentos, o Concorde 02 ( F-WTSA) deixará Toulouse definitivamente em 20 de maio de 1976 para seu 314º e último vôo. Ele decolará pela última vez às 15 h 19 min para se juntar à equipe do aeroporto de Paris, que o buscará em Paris Orly Int. Airport, onde aterrisou às 16 h 26 min após 51 min de voo.

Para esta última missão, quanto ao seu primeiro vôo, o capitão é Jean Franchi, o segundo oficial é Gilbert Defer e como engenheiros de vôo os cmdtes Claude Durand e Ugo Venchiarutti.

Após seu 314º e último pouso, totaliza, para todos os seus vôos, um tempo operacional de 657 horas e 41 minutos por 610 horas e 58 minutos de voo real, incluindo 281 horas e 17 minutos em velocidade supersônica.

A chegada para exposição no Aéroport de Orly 

Apòs a chegada no Aeroporto de Orly, a aeronave foi então “desarmada”, com os motores retirados e muitas outras peças retiradas para servir nas aeronaves da Air France. Os armários dos equipamentos, localizados entre a porta da frente e a cabine, no lado esquerdo, foram removidos para permitir uma aproximação mais próxima a esta, fechada, necessariamente por uma divisória de plexiglás, e ter melhor visibilidade no painel de instrumentos.

No final de 1986, A.D.P. (Aeroporto de Paris), decidindo revisar o layout de sua infra-estrutura e os dois aviões não sendo mais uma de suas prioridades, eles foram ordenados a serem descartados. Infelizmente o prototipo do Caravelle 01 foi destruído, e o  Concorde 02 foi salvo, por pouco também não teve o tràgico destino do prototipo do Caravelle 01.

 Sob a liderança do Sr. Roland Payen, presidente fundador em 1985, com a cidade de Athis-Mons, da associação Athis Aviation que se tornará com a chegada da cidade de Paray Vieille Poste, Athis-Paray Aviation e com o apoio da pequena equipe ao seu redor e a ajuda de pessoas da ADP e da Air France, o Concorde 02 foi comprado por valor simbólico não revelado, pelo município de Athis-Mons.

Ele chegou ao Delta Museum em 12 de abril de 1988 para ser tratado pela equipe de voluntários da associação “Athis-Paray Aviation” Delta Museum reunida em torno de seu presidente, Sr. Roland Payen, ele próprio inventor da asa Delta e projetista da primeira aeronave desse tipo a voar, em abril de 1935, na Etampes Mondésir.

Para ver algumas imagens da chegada do Concorde 02 em Orly no seu derradeiro voo, acesse o site do Musée Delta Athis Mons: 

http://museedelta.free.fr/index.htm

#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item1 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0066-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item2 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0067-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item3 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0068-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item4 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0069-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item5 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0071-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item6 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0073-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item7 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0076-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item8 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0077-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item9 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0079-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item10 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0081-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item11 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0082-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item12 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0083-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item13 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0088-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item14 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0089-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item15 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0090-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item16 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0092-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item17 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0093-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item18 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0094-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item19 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0095-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}

Artic Edge 2020; U.S. Mariners realizam exercício em ambiente ártico extremo

O Artic Edge 2020 é um exercício de defesa territorial nacional, de responsabilidade do pelo Comando do Alasca sob a autoridade do Comando Norte dos EUA.

O Artic Edge vai preparar e testar a capacidade das forças militares de operar taticamente nas condições extremas de clima frio encontradas nos ambientes árticos.

O exercìcio é realizado com a participação de mais de 1.000 militares dos EUA de todos os ramos de serviço e membros do Comando de Operações Conjuntas do Canadá.

O Arctic Edge permite que os fuzileiros navais naveguem, se comuniquem e se mantenham eficazes, juntamente com treinamento de alta qualidade e eficaz nas condições extremas de clima frio encontradas nos ambientes árticos.

Integrantes do Departamento de Estratégia e Operações de Comunicação da Reserva das Forças dos Fuzileiros Navais estão entre os que documentam o exercício para manter atualizado os padrões operacionais para o restante da tropa de reserva.

Apreciem as excelentes imagens realizadas durante diversas fases do exercicio com fotos doStaff Sgt. Anthony Kirby, Sgt. Conner J. Downey e Lance Cpl. Jose Gonzalez:

#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item1 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86269439_10158024049579490_5807093769022996480_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item2 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86284782_10158024048389490_7808340871585202176_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item3 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86191669_10158025712909490_3872257306217414656_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item4 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86280081_10158025712749490_2674560140484542464_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item5 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86236497_10158025713174490_3908213642843127808_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item6 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86262612_10158025712829490_2965423627941445632_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item7 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86175862_10158025713044490_4776180177782702080_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item8 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86277930_10158024050204490_2653606876243034112_o-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item9 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86245666_10158024047584490_8916688724557824000_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item10 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86276289_10158024048019490_4826193551526199296_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item11 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86263011_10158024048779490_7503098915953049600_o-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item12 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86266079_10158024046379490_8658735514200834048_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item13 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86289102_10158024048359490_2835916388143464448_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item14 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86177341_10158024050584490_8056788838279806976_o-2-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item15 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86192060_10158024049814490_3617722666489741312_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item16 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86192449_10158024047709490_9007963544171315200_o-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item17 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86177341_10158024050584490_8056788838279806976_o-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item18 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86277930_10158024050204490_2653606876243034112_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item19 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86193633_10158024047454490_8592995082615914496_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item20 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85198407_10158024046324490_1760694187700781056_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item21 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86292968_10158024048289490_6077957341834117120_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item22 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86202781_10158024047629490_547076832332087296_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item23 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85259232_10158024046364490_7266259580139601920_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item24 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86266615_10158024046404490_7470674915050389504_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item25 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86251820_10158024048874490_4246237730930950144_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item26 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85253406_10158024049669490_5442410050129756160_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item27 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86258002_10158024046979490_1299654982055755776_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item28 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86291351_10158024050139490_7885354767688400896_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item29 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85245502_10158024050304490_7818344163950198784_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item30 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86278326_10158024048669490_8509232512990445568_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item31 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86242645_10158024049479490_5614863763137101824_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item32 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85156160_10158024049429490_5942819593184608256_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item33 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86230409_10158024048434490_2699260128036651008_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item34 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86278085_10158024050874490_1920327900070936576_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item35 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86272846_10158024050059490_1136470216495071232_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item36 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86263011_10158024048779490_7503098915953049600_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item37 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86200436_10158024049369490_5393454496766492672_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item38 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85156160_10158024047894490_2248648815223504896_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item39 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86192449_10158024047709490_9007963544171315200_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item40 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86177341_10158024050584490_8056788838279806976_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}

O primeiro-ministro da Hungria declara: “migração é uma invasão organizada”

O primeiro-ministro da Hungria Viktor Orbán declarou durante evento oficial em compania do primeiro-ministro da Eslováquia, que as descrições da situação de crise na fronteira húngara na mídia internacional eram imprecisas e minimizadas e até mesmo negligenciadas, alegando que 95% dos migrantes que se declaram “refugiados” que chegavam à fronteira são “homens em idade militar”.

Viktor Orbán também atacou a moral “politicamente correta” da União Européia dizendo: “É proibido dizer na Europa, mas a migração é uma invasão organizada” (se referindo aos fluxos migratorios do Oriente Médio e Africa).

Ele relembrou a recente ocorrência gravissima, quando grupos de migrantes recentemente tentaram forçar passagens nas cercas e barragens, observando que em um ponto, tiros de alerta precisaram ser disparados pelos guardas de fronteira hùngaros, para auto defesa dos funcionarios da imigração e para conter os elementos mais violêntos.

Na foto em destaque (da esquerda para a direita): PM eslovaco Peter Pellegrini, PM húngaro Viktor Orbán, ministro eslovaco do Interior Denisa Saková e ministro húngaro do interior Sándor Pintér (atrás). Foto de Zsolt Szigetváry / MTI

A Hungria hoje tem seu territorio de fronteira quase todo fechado por cercas instaladas pelas forças armadas e empresas de segurança contratadas, pois desde o começo oficial da crise dos refugiados em 2014/2015, o seu territorio é o preferido para migrantes do Oriente Médio que tentam rumar para a Alemanha.

Até então a Hungria estava no “roll” de paìses de estatìsticas insiginificantes de criminalidade, e, com a presença dos migrantes viu a criminalidade crescer em todas as suas modalidades. Hoje é praticamente impossìvel não ligar o aumento da criminalidade ao afluxo migratòrio da Africa e Oriente Médio, e essa situação està criando problemas graves para todas as nações européias.

Em resposta a pergunta de um jornaista da AFP e de outros que alegaram um fechamento ilegal da fronteira, o Ministor Orbán disse que:

“A fronteira húngara não estava fechada, argumentando que, se alguém quisesse entrar no território húngaro, estava livre para “entrar” desde que seguindo o procedimento legalmente apropriado . Aqueles que optam por esse método, disse ele, devem esperar na área de trânsito pelo fim do processo legal. Enquanto isso, os migrantes são atendidos e, se seu pedido for aprovado, eles podem entrar na Hungria, mas, caso contrário, devem deixar a área de trânsito. Se todos fizessem isso, a situação seria tranquila”, disse Orbán. “Mas a maioria não o faz, e prefere o caminho ilegal”.

Falando aos repórteres depois de inspecionar a cerca da fronteira da Hungria com Peter Pellegrini, seu colega eslovaco, Orbán disse que a cerca também estava protegendo a fronteira da Eslováquia.

“Este é um trabalho árduo, que seria difícil fazer sem ajuda e com nossos aliados”, disse Orbán, expressando sua gratidão pelo apoio da Eslováquia.

Cooperação para a proteção das fronteiras entre Hungria, Eslovaquia e Sérvia

Orbán disse que o motivo pelo qual convidou Pellegrini para inspecionar a fronteira foi que houve recentemente um aumento acentuado no número de passagens ilegais. Mais de 5.000 migrantes tentaram entrar ilegalmente na Hungria até agora este ano, disse ele, acrescentando que muitos grupos de migrantes organizados também estavam chegando à fronteira.

Orbán disse que havia cerca de 100.000 migrantes atualmente a caminho da Europa pela rota dos Balcãs e, se a Hungria deixasse, eles entrariam no país e chegariam à Eslováquia.

Orbán expressou sua gratidão ao governo eslovaco pela assistência prestada à Hungria em seus esforços de proteção de fronteiras. Orbán disse que ele e Pellegrini reforçaram seu acordo segundo o qual a Eslováquia estará preparada para ajudar a Hungria novamente se a pressão migratória subir na fronteira.

Pellegrini destacou a importância de proteger a fronteira húngara-sérvia, observando que também era a fronteira sul da zona Schengen, livre de passaportes da União Europeia. Ele disse que a Eslováquia também estaria com problemas se a fronteira fosse violada pelos migrantes.

A Eslováquia está lidando com a proteção de sua fronteira oriental com a Ucrânia, mas precisa da ajuda da Hungria em relação à sua fronteira sul, disse ele.

Pellegrini disse que a Eslováquia estava preparada para continuar ajudando a Hungria em seus esforços de proteção de fronteiras, a fim de manter os migrantes afastados.

Ele disse que a cooperação entre a Hungria e a Sérvia é boa, acrescentando que os dois países podem gerenciar a situação dos migrantes por meio de uma cooperação justa.

Orbán disse que os serviços secretos húngaros estão monitorando a situação e têm uma visão clara de “a maneira como os movimentos de migrantes estão organizados e contam até mesmo com o apoio de ONG’s”.

Orbán enfatizou que os migrantes eram apoiados por organizações que alegam ter o status de ONGs operando da mesma maneira que grupos de traficantes de drogas e seres humanos. Essas organizações têm recursos financeiros significativos e capacidade logística considerável, acrescentou.

Em resposta a outra pergunta, ele disse que Bruxelas “não vai nos dar um centavo para financiar o fechamento, porque estamos na lista errada”. A Hungria foi a primeira a construir uma cerca na fronteira “, então somos os primeiros culpados”, acrescentou.

Ministro das Relações Exteriores húngaro Péter Szijjárt afirma que migração é ameaça para toda a humanidade

O ministro das Relações Exteriores húngaro Péter Szijjárt disse na terça-feira em uma conferência antiterrorista em Viena, que as Nações Unidas desperdiçam dinheiro em facilitar a migração que ameaça o mundo inteiro; dinheiro que seria melhor gasto no combate ao terrorismo.

Szijjártó disse aos participantes que promover a migração em massa no mundo representa “uma ameaça muito séria para toda a humanidade”, relata o Hungary Today .
O pacto de migração global da ONU encoraja as pessoas a deixar suas terras de origem, disse ele. E isso, acrescentou, põe em risco regiões e países de passagem de migração.

“Apelamos à ONU para incluir em seu orçamento o combate ao terrorismo … e gastar menos com a migração”, disse o ministro na conferência organizada pela ONU, pela Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) e pela Suíça.

No passado, Szijjártó descreveu como a Hungria rejeita o multiculturalismo e a migração em massa e, como solução para os desafios demográficos e do mercado de trabalho, favorece uma sociedade e políticas mais coesas socialmente, que apoiam a população local a criar suas próprias famílias e habilidades.

Fontes:

Orbán to Pellegrini: ‘It’s forbidden to say so in Europe, but migration is an organised invasion’

Hungarian minister: Mass migration is a “very serious threat to the whole of humanity”

https://www.tvlibertes.com/actus/viktor-orban-il-est-interdit-de-le-dire-en-europe-mais-limmigration-est-une-invasion-organisee

 

O post O primeiro-ministro da Hungria declara: “migração é uma invasão organizada” apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Divulgado vídeo do abate de um Tornado IDS da Força Aérea Real Saudita (RSAF).

Em 15 de fevereiro, a mídia do Houthi divulgou um vídeo da Força de Defesa Aérea do Iêmen derrubando um avião de combate Tornado IDS da Força Aérea Real Saudita (RSAF).

O incidente ocorreu nas últimas horas de 14 de fevereiro na província de Al-Jawf, no norte do Iêmen. O avião de ataque saudita estava fornecendo apoio aéreo próximo às forças de terra apoiadas pela Arábia Saudita, como anunciava a coalizão liderada pela Arábia Saudita.

O vídeo mostra um míssil antiaéreo guiado atingindo o Tornado IDS. O impacto direto aparentemente forçou a tripulação da aeronave a ejetar imediatamente. Os destroços da aeronave abatida podem ser vistos no final do vídeo.

O destino da tripulação da aeronave permanece incerto. A coalizão liderada pela Arábia Saudita disse que está sendo realizada uma operação de busca e salvamento, enquanto fontes iemenitas alegam que a tripulação já foi capturada pelos houthis.

Aviões de coalizão liderados pela Arábia Saudita atacaram o local do acidente do Tornado com uma série de ataques aéreos, matando mais de 30 pessoas, incluindo civis. A coalizão reconheceu isso e disse que alguns dos civis feridos serão levados ao Reino para tratamento.

Uma fonte militar iemenita disse a al-Masirah que um sistema de defesa aérea “fabricado localmente e avançado” foi usado para abater o IDS do Tornado Saudita. Segundo a fonte, esse foi o primeiro uso do sistema.

Nos últimos meses, os houthis derrubaram vários drones e um helicóptero de ataque da coalizão liderada pela Arábia Saudita. A queda do IDS RSAF Tornado, no entanto, é um marco significativo para as capacidades do grupo iemenita.

  • Com informações Associated Press, Agência de Imprensa Saudita (SPA) e STF Analisys & Intelligence via redação Orbis Defense Europa.

O post Divulgado vídeo do abate de um Tornado IDS da Força Aérea Real Saudita (RSAF). apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Reformas Administrativas, necessárias, mas…

Por Lopes de Albuquerque, em 08/10/2018.

Observações estratégicas:

Uma situação já observada em pessoas que possivelmente venham compor a Administração do Presidente Bolsonaro, é a repetição de “mantras” difundidos à exaustão pelas esquerdas, ao longo dos anos. Agora, são entendidos mesmo que involuntariamente como verdades ( receita de Hitler para Goebbles). Esses equívocos, dado o nível decisório promovem falhas, erros e origem que comprometerão os resultados almejados.

Como exemplo, cito a falácia do Estado inchado, colocando o servidor público como um vilão preferencial, num enredo onde se buscam bodes expiatórios para os erros, inconfidências e desvios. Temos na verdade, uma péssima distribuição de efetivos e excesso de terceirização. 

Ao longo do ano de 2017 e alguma ação neste ano de 2018, ocorreram extinções de órgãos por ausência de servidores, não havendo a muitos anos a reposição de pessoal. 

Por outro lado, temos o recompletamento sem o devido planejamento, em diversas áreas, mais uma vez a terceirização de mão de obra em excesso. Não há uma administração adequada dos recursos humanos, criando um ambiente com excesso de gastos, sem que o Estado e os servidores sejam beneficiados. Existe ainda a utilização quase criminosa dos cargos comissionados, com seus valores de gratificações achatados ao longo dos anos (desde a Adm FHC), inviabilizando o recrutamento de mão de obra de qualidade compatível com as necessidades da Administração Pública. Esse fenômeno é facilmente observado no atual staff da Presidência da República, que vem degradando seu nível de excelência ano à ano.

Esse gravíssimo problema, começou à ser gestado com a extinção do Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP) no Governo Sarney. Criado em 1937, para ser um órgão normativo e fiscalizador, buscando a eficiência e eficácia da Administração Pública, em especial, para atuar em defesa do sistema do mérito, e, da racionalidade administrativa.

A extinção do DASP, foi um grave tremor na Administração do Serviço Público Federal e  com graves repercussões nos dois outros níveis da Administração Pública (Estadual e Municipal).

Creio firmemente que, salvo melhor juízo, a utilização de parâmetros e procedimentos anteriores à constituição de 1988, aliados aos avanços tecnológicos em constante avaliação, lograremos êxitos em estabelecermos um Serviço Público de excelência, apto à bem administrar um Estado compatível com as necessidades e pujança do Brasil.

Ao contrário do “mantra”, pseudo liberal, mas Fabiano na essência não deve ser pura e simplesmente um “Estado Mínimo” (somos um continente), mas sim, dimensionado para atender a demandas da Administração. Dar condições de exigir o máximo desempenho de seus servidores é diferente de oferecer “mordomias”, mais um “mantra” Fabiano. Lembrar que a na contramão do processo de desvalorização do servidor público, a iniciativa privada copia os “privilégios”  e  “ mordomias” do serviço público, buscando obter o máximo de resultados de seus colaboradores.

Um tema importante que merece atenção é a necessidade de sistema de acesso ao Serviço Público, por intermédio de “Aplicações”, que permitirão a seleção de servidores que se adéquam ao cargo pretendido, possuindo o perfil desejado para o desempenho das funções inerentes ao cargo oferecido. Adotando esse sistema de seleção, evitaremos a figura nefanda do concurseiro, criando um ambiente favorável para eu seja amalgamado o espírito de corpo e uma profunda ligação afetiva entre o Servidor e a Instituição à que servir

Criar regras básicas para a estruturação de carreiras, buscando o escalonamento das promoções, evitando a situação que ocorre na atualidade, onde o servidor em diversos segmentos, atinge o ápice da carreira em menos de dez anos, recebendo vencimentos no nível mais elevado por mais de vinte anos.

O fim da estabilidade no emprego, nos moldes atuais, poderá ser uma boa opção para a busca de excelência no Serviço Público. As Forças Armadas, já adotam esse sistema de Aplicação com pleno sucesso, sendo a estabilidade uma barreira intransponível para que esses profissionais tenham continuidade na prestação de seus serviços. Cabe lembrar que nos EUA, onde carreiras são construídas sem a necessidade de estabilidade no emprego, a segurança do Estado, e do servidor são protegidos por legislação específica constante, em seus contratos de trabalho. 

Outra possibilidade positiva, a flexibilidade do estado em aumentar ou reduzir  efetivo de servidores de acordo com a necessidade do Serviço;

Em todas as situações lembrar que:

. Assistência Social;

. Previdência Social;

  . Seguridade Social; e, 

. Vencimentos.

São contas diferentes, de fontes diferentes, e , não podem ser contabilizados, dentro Orçamento das diversas pastas ministeriais. Essa mágica”, compromete o planejamento orçamentário e operacional dos diversos órgãos e/ou instituições. 

  • Texto de Lopes de Albuquerque, escrito em 08/10/2018, exclusivo para o Orbis Defense.

O post Reformas Administrativas, necessárias, mas… apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Rebeldes houtis declaram abate de caça Tornado IDS saudita

Os houthis anunciaram no dia 14 de fevereiro que a Força Aérea do Iêmen havia abatido um avião de combate Tornado IDS da Força Aérea Real Saudita (RSAF).

De acordo com a TV pró-Houthis al-Masirah, aviões de guerra da coalizão liderada pela Arábia Saudita realizaram cinco ataques aéreos sobre os destroços do IDS derrubado do Tornado para destruir o que restou e assim não deixar partes inteiras que possam ser usadas para imagens de propaganda.

O general Yahya Sari, porta-voz do grupo iemenita, disse que o avião de combate saudita foi abatido sobre a província iemenita de al-Jawf, no norte do país, depois de realizar “atos hostis”.

Segundo o porta-voz, um míssil antiaéreo avançado equipado com novas tecnologias foi usado para abater o Tornado IDS.

A RSAF – Royal Saudi Air Force opera mais de 80 Tornados IDS, uma parte deles foi atualizada para o padrão GR4. O acordo de compra do Tornado fazia parte do polêmico acordo de armas de al-Yamamah entre a British Aerospace e o governo saudita nos anos 80.

Porta Voz da Real Força Aérea Saudita confirmou queda de aeronave mas sem maiores detalhes

O Coronel “Turki Al-Maliki”, porta-voz da coalizão árabe declarou horas depois pela a Agência de Imprensa Saudita (SPA), apenas que um avião da Força Aérea Real Saudita caiu no início da sexta-feira durante uma missão perto das unidades das forças do governo do Iêmen, informou o relatório do SPA.

https://english.alarabiya.net/en/News/gulf/2020/02/15/Coalition-warplane-crashes-in-Yemen-s-al-Jawf-Arab-Coalition.html

O acontecido coincide com a divulgações da mídia Houthis, sobre novas fotos mostrando a recente operação em larga escala do grupo no centro do Iêmen, efetuanda no dia 14 de fevereiro.

Os Houthis revelaram a operação, apelidada de Solid Structure, no mês passado. No decurso da operação, o grupo frustrou um grande ataque da coalizão liderada pela Arábia Saudita e capturou 2.500 quilômetros quadrados entre a capital, Sanaa e Ma’rib.

As novas fotos mostram muitas armas, incluindo tanques de guerra, veículos blindados e veículos de combate de infantaria (IFVs), que foram capturados pelos Houthis durante a operação.

Os Houthis afirmam que 1.500 combatentes apoiados pela Arábia Saudita foram mortos e 1.830 outros ficaram feridos na Operação Estrutura Sólida. Os vídeos e fotos divulgados recentemente tornam esses números muito plausíveis.

  • Com informações Associated Press, Agência de Imprensa Saudita (SPA) e STF Analisys & Intelligence via redação Orbis Defense Europa.

O post Rebeldes houtis declaram abate de caça Tornado IDS saudita apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Armored Fighting Vehicle (AFV) 8×8 israelense “Eitan” entra em produção em série

Em 9 de fevereiro, o Ministério da Defesa de Israel anunciou que o novo veículo blindado de combate Eitan (AFV), até então em testes, agora está pronto para produção em série. Este veiculo deve entrar em operação no final de 2021.

O Eitan foi desenvolvido parcialmente em resposta às lições aprendidas com a guerra de Gaza de 2014 e está substituindo progressivamente os atuais APCs M113 das Forças de Defesa de Israel (IDF).

Imagem via IDF Israel.

O Eitan destina-se a dar às tropas maior velocidade e mobilidade – pode chegar a 90 quilômetros por hora (56 mph) -, além de melhor segurança: será equipado com o sistema de proteção ativa Elgy System, Iron Fist Light Decoupled (IFLD). A seleção do IFLD para o Eitan AFV da IDF veio logo após a decisão do Exército dos EUA de prosseguir com o IFLD para o Bradley IFV e segue uma tendência mundial para a substituição de carros de combate que utilizam esteiras para os modenros sistemas pneumàticos 8X8.

O Eitan foi desenvolvido parcialmente em resposta às lições aprendidas com a guerra de Gaza em 2014 e está substituindo progressivamente os atuais APCs M113 da IDF.

O desenvolvimento e a produção do Eitan são liderados pela Diretoria de Veículos Blindados do Ministério da Defesa de Israel (IMoD), em cooperação com a Missão da IMoD nos Estados Unidos e a Diretoria de Produção e Compras. Revelado pela primeira vez em 2016, o Eitan passou por uma série abrangente de testes pela Administração Merkava e AFV do Ministério da Defesa, em colaboração com a sede do Exército do GOC e a Brigada Nahal, que será a primeira a usar o veículo.
Como APC sobre rodas, o Eitan não precisará ser transportado em transportadores pesados, como o Namer e outros APCs em uso pelos militares, e será mais manobrável em áreas urbanas como a Faixa de Gaza.

O novo Eitan é um veículo 8 × 8 que combina tecnologias do tanque principal de batalha de Merkava e da Namer APC, mas a um preço mais baixo, afirmou o Ministério da Defesa.

O novo Eitan, co-desenvolvido com os EUA, pode chegar a 90 km / h (56 mph), é mais leve e mais barato que os APCs anteriores implantados pelas FDI. O Eitan tem oito metros de comprimento e três metros de largura e pesa 30-35 toneladas. É operado por um comandante, artilheiro e motorista.

O veículo pode transportar nove caças em um ambiente com ar condicionado. Seu corpo e sistema de suspensão foram aprimorados para maximizar a proteção e a capacidade de sobrevivência da tripulação.

Além disso, foram feitas atualizações nos sistemas de direção, elétrica e controle. O Eitan tem um motor de 750 cavalos de potência e pode navegar a 90 km / h em estradas pavimentadas em ambientes urbanos. Ele pode manobrar off-road com suspensão independente e um sistema de transmissão pronto para uso.

O Eitan (em hebraico para “firme”) é uma roda 8 × 8 e três metros de largura e pesa 30-35 toneladas. É alimentado por um motor a diesel de 750 hp (559 kW) e tem uma velocidade máxima de 90 km / h em estradas pavimentadas.

O Eitan possui pneus vazios e sistema de inflação de pneus central e é projetado com um piso protegido e relativamente alto para proteger dos efeitos de explosão de minas e IED. O APC está equipado com o Sistema de Proteção Ativa (IF-LD) com Punho de Ferro Separado por Luz (IF-LD).

O sistema Punho de Ferro usa sensores ópticos, radar de rastreamento, lançadores e munições de contramedida para derrotar ameaças a uma distância segura. O sistema Iron Fist oferece cobertura de proteção de 360 ​​graus para cenários de curto alcance em terrenos abertos e em ambiente urbano. A APC pode transportar 12 homens, incluindo 3 tripulantes (comandante, artilheiro e motorista).

  • Com informações via Israel Military IDF news e Military Leaks via redação Orbis Defense Europe.

O post Armored Fighting Vehicle (AFV) 8×8 israelense “Eitan” entra em produção em série apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Gamers vão ensinar IA a pilotar enxames de drones militares

Um time de pesquisadores da Universidade de Buffalo está desenvolvendo uma inteligência artificial para drones de guerra que tem como inspiração o comportamento dos gamers em momentos decisivos. Feito em parceria com a agência militar estadunidense DARPA (Defense Advanced Research Projects Agency), o projeto mapeia dados como movimentos dos olhos e ondas cerebrais de jogadores para serem utilizados no desenvolvimento de um algoritmo.

O estudo está sendo feito com um jogo desenvolvido especificamente para o projeto, mas que tem como inspiração games de estratégia em tempo real como Starcraft e Company of Heroes. Após obter a quantidade necessária de dados, o time de Inteligência Artificial da Universidade de Buffalo vai aplicar o conhecimento no treino de um algoritmo que será aplicado em um enxame de drones.

Fonte: Universidade de Buffalo/Reprodução

De acordo com informações reveladas no site da instituição, a inteligência artificial que nascerá do projeto servirá para controlar um grupo de 250 drones, que terá modelos aéreos e terrestres agindo em sincronia. Graças aos dados obtidos com o comportamento dos jogadores, a equipe de desenvolvimento espera criar um sistema que vá além de imitar seres humanos e seja capaz de tomar decisões complexas de maneira rápida, mesmo em situações complicadas ou de perigo.

“Pode haver uma perda repentina de visibilidade por causa de fumaça durante uma emergência, por exemplo. Os robôs precisam ser capazes de se comunicar e se adaptar efetivamente a desafios como esse”, explica Souma Chowdhury, professor assistente de engenharia aeroespacial e mecânica que participa do estudo. “Não queremos que o sistema de IA imite apenas o comportamento humano, queremos que ele forme uma compreensão mais profunda do que motiva as ações humanas”.

De acordo com a Universidade de Buffalo, a equipe por trás da pesquisa recebeu um incentivo fiscal de US$ 316 mil do governo dos Estados Unidos. Ainda não existe uma previsão de quando a inteligência artificial baseada no comportamento dos gamers será colocada em ação, porém, como o projeto foi revelado no mês passado, ainda deve demorar para termos novidades práticas da iniciativa.

Fontes

O post Gamers vão ensinar IA a pilotar enxames de drones militares apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Em vídeos; outro helicóptero militar sírio é abatido na batalha por Aleppo

Nessa tarde de 14 de fevereiro, militantes apoiados pela Turquia abateram um helicóptero militar sírio (supostamente Mi-8) no oeste de Aleppo. A tripulação morreu no incidente. Segundo relatos, o incidente teria ocorrido na área a oeste de Qabtan al-Jabal.

Este foi o segundo helicóptero militar sírio derrubado por militantes apoiados pela Turquia desde o início de fevereiro. Em 11 de fevereiro, um helicóptero militar sírio foi derrubado por um MANPAD perto da vila de Nayrab, no leste de Idlib.

Segundo a RT Arabic, o MANPAD foi lançado a partir de um posto de observação turco estacionado perto de Daarat al-Izza, corroborando informações de testemunhas que viram o disparo do foguete do tipo “manpad” de uma posição ocupada por tropas da Turquia.

Fontes locais informam que recentemente a Turquia forneceu aos grupos terroristas que ainda ocupam posições em Idlib (incluindo Hayat Tahrir al-Sham) vários desses mísseis portateis.

No vídeo abaixo, é evidente a identificação das tropas auto denominadas como “rebeldes democràticos”, que são apoiados pela Turquia, usam uniformes multicam ao estilo das tropas dos EUA mas com insiginias do ISIS.

  • Com informações STF Analisys & Intelligence, SANA Syria e Russia RT Arabic via redação Orbis Defense Europe.

O post Em vídeos; outro helicóptero militar sírio é abatido na batalha por Aleppo apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo