Pesquisa mapeará dados sobre a Covid-19 no país

0

Gerar um mapa detalhado da transmissão e comportamento da Covid-19 no país e saber qual a prevalência da doença nos diferentes grupos sociais da população brasileira é o que prevê a pesquisa chamada PrevCOV, que será promovida em todo o país pelo Ministério da Saúde. A pesquisa será feita por meio da coleta de sangue para identificar anticorpos do tipo IgG para a doença. A iniciativa abrangerá 62.097 domicílios de 274 municípios, atingindo 211.129 indivíduos.

Com a PrevCOV, será possível saber em quais estados, capitais ou regiões metropolitanas a infecção pela Covid-19 tem sido mais intensa. E obter características socioeconômicas e epidemiológicas dos pesquisados e ter o cálculo da morbidade e letalidade do coronavírus. Com essas informações, o Ministério da Saúde quer aprimorar as estratégias de enfrentamento e prevenção à doença.

A previsão é que o estudo comece em 1º de junho e seja concluído em setembro. De acordo com o ministério, essa é uma das maiores pesquisas de prevalência da infecção por Covid-19 já feita no mundo até o momento. O teste de anticorpos indica se a pessoa foi contaminada ou vacinada anteriormente e desenvolveu imunidade para a doença.

“Vamos ampliar a nossa campanha de vacinação, vamos conhecer as características da prevalência da infecção da Covid-19 no Brasil através de uma iniciativa como o PrevCOV, que é um arrojado estudo epidemiológico que trará respostas fundamentais para que possamos acertar o alvo certo”, explicou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Quem participa

A seleção dos pesquisados será feita por meio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, a Pnad Covid-19, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). A adesão é voluntária. Menores de 18 anos precisam da autorização de pais ou responsáveis.

O primeiro contato será feito por ligação telefônica para confirmar dados e verificar quem aceita participar da pesquisa. Os demais contatos serão feitos por mensagem de texto ou Whatsapp.

A coleta do sangue é feita na residência, em dia e horário agendado pelo participante. Os técnicos irão aos domicílios com crachá de identificação e uniformizados com camiseta e boné com a marca da campanha.

Source: Portal Gov.br

Governo Federal entrega novos veículos para o sistema prisional brasileiro

0

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, entregou 66 ônibus e 46 furgões para renovar a frota e dar mais segurança ao trabalho dos policiais penais de 20 estados, Distrito Federal e das cinco penitenciárias federais. Os veículos foram adquiridos pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen) com recursos do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen).

No total, o Depen adquiriu 298 furgões e 132 ônibus para o sistema prisional de todo o país e penitenciárias federais. Com a finalização dessas entregas, todos os entes federativos terão recebido a doação de viaturas, que teve um investimento total de R$ 106 milhões do Governo Federal, com recursos do Funpen.

A distribuição das viaturas foi definida conforme o número de estabelecimentos penais, população carcerária e demanda indicada pelos estados e Distrito Federal. Os veículos atendem às resoluções do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) e Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

As viaturas foram destinadas aos estados de Minas Gerais, Goiás, Sergipe, Rio de Janeiro, Paraíba, Ceará, Pará, Alagoas, Amazonas, Bahia, Maranhão, Paraná, Mato Grosso, Tocantins, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e São Paulo, e ao Distrito Federal. Além disso, receberam veículos as penitenciárias federais localizadas em Catanduvas (PR), Mossoró (RN), Campo Grande (MS), Porto Velho (RO) e Brasília (DF).

Com informações do Ministério da Justiça e Segurança Pública

Source: Portal Gov.br

Pedidos de isenção de taxa de inscrição começam em 17 de maio

0

O participante que deseja solicitar isenção da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 e justificar a ausência na edição anterior do exame poderá acessar a Página do Participante para fazer esses procedimentos a partir do próximo dia 17 de maio.

Essa é a primeira vez que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) publica edital para essa fase separadamente da inscrição. O objetivo é facilitar a compreensão das regras para quem precisa solicitar isenção da taxa de inscrição em 2021 e evitar que os estudantes deixem de se inscrever no exame por acreditar que a isenção ou a justificativa garante a participação. O prazo se encerrará em 28 de maio.

O Inep lembra que todos os interessados no Enem 2021, isentos ou não, devem fazer a inscrição na Página do Participante, tendo como referência o edital específico, ainda a ser publicado. É importante destacar que, mesmo os participantes que tiverem a isenção deferida, também deverão fazer a inscrição. A isenção no exame não garante a participação.

Isenção

Para a isenção de taxa, é necessário que o participante atenda a um dos requisitos: estar cursando a última série do ensino médio no ano de 2021, em qualquer modalidade de ensino, em escola da rede pública; ter cursado todo o ensino médio em escola da rede pública ou ser bolsista integral na rede privada, além de ter renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio; ou declarar situação de vulnerabilidade socioeconômica, por ser membro de família de baixa renda e que esteja inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), desde que informe o seu Número de Identificação Social (NIS) único e válido.

Acesse o edital para solicitação de isenção do Enem 2021 e justificativa de ausência no Enem 2020

Acesse a Página do Participante

Com informações do Ministério da Educação

Source: Portal Gov.br

Medicamentos doados pelo governo da Espanha começam a chegar nos estados

0

Mais de 500 mil unidades de medicamentos de Intubação Orotraqueal (IOT) já estão sendo distribuídas para 14 estados e Distrito Federal pelo Ministério da Saúde. A maior parte dos lotes com os chamados “kit intubação” foram doados ao Brasil pelo governo da Espanha e apoiará os esforços nacionais no enfrentamento à Covid-19.

Os quantitativos enviados foram determinados a partir do estoque de cada um dos medicamentos. O Ministério da Saúde levou em consideração também o Consumo Médio Mensal da cobertura referente a semana 44 atualizada pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), além do quantitativo a ser entregue na distribuição anterior.

A doação foi feita por meio da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID). A Agência Brasileira de Cooperação (ABC), do Ministério das Relações Exteriores, coordenou a operação em parceria com o Ministério da Saúde, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Receita Federal e as embaixadas do Brasil em Madri e da Espanha em Brasília.

Alinhamento

Para que os medicamentos de intubação cheguem na ponta, é necessário o comprometimento de todos os envolvidos na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS). O caminho dos produtos começa nos municípios: são os hospitais do SUS que informam o consumo médio mensal e os estoques aos estados. Eles, por sua vez, consolidam essas informações e, por meio do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass), enviam ao Ministério da Saúde – duas informações essenciais para a consolidação do processo de divisão dos medicamentos pelo país.

Os medicamentos que compõem o “kit intubação” são analgésicos, sedativos e bloqueadores neuromusculares.

UTI Covid-19 

Mais 1.152 leitos de UTI adulto e 51 leitos de UTI pediátrica foram autorizados, nessa terça-feira (4), pelo Ministério da Saúde para atendimento de pacientes graves com Covid-19.

Estão sendo beneficiados vários municípios nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rondônia e São Paulo. O valor do repasse mensal será de mais de R$ 58,2 milhões, correspondente à abril.

A autorização ocorre sob demanda dos estados, que têm autonomia para disponibilizar e financiar quantos leitos forem necessários. Apesar disso, o Ministério da Saúde, em decorrência do atual cenário de emergência, disponibiliza recursos financeiros e auxílio técnico para o enfrentamento da doença – somente em 2021, já foram autorizados mais de 20,8 mil leitos de UTI Covid-19 adultos e pediátricos para tratamento de pacientes graves. O investimento é de mais de R$ 1,5 bilhão.

Suporte Ventilatório Pulmonar

Mais 253 leitos de Suporte Ventilatório Pulmonar para atendimento exclusivo aos pacientes confirmados ou com suspeita de Covid-19 foram autorizados pelo Ministério da Saúde nessa terça-feira (4). A medida reforça os atendimentos no SUS em Hospitais Especializados, Unidades Mistas, Hospitais de Pequeno Porte, Prontos Socorros, Unidades de Pronto Atendimento, Hospitais de Campanha e Hospitais Gerais.

As autorizações, em caráter excepcional e temporário, são destinadas para os estados da Paraíba, Rio Grande do Norte, Paraná, Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, São Paulo, Ceará e Sergipe. O valor do repasse mensal é de mais de R$ 3,6 milhões, correspondente aos meses de abril e maio.

Os leitos de Suporte Ventilatório Pulmonar são voltados para pacientes de Covid-19 que não evoluíram para estado grave, mas que necessitam de suporte de oxigênio. A autorização ocorre sob demanda dos estados, que têm autonomia para disponibilizar e financiar quantos leitos forem necessários.

 

Com informações do Ministério da Saúde

Source: Portal Gov.br

Lançado programa para impulsionar a digitalização da TV no país

0

Atualmente, a maior parte do país tem cobertura de sinal digital nas TVs, mas há lugares que ainda contam só com o analógico. Para concluir a digitalização da TV no Brasil, foi lançado, nessa terça-feira (4), pelo Ministério das Comunicações, o Digitaliza Brasil.

“Temos um sinal digital que já está em mais de duas mil cidades, chegando a 156 milhões de pessoas, cerca de 75% da população. A meta agora é encerrar as transmissões analógicas. O desligamento ocorrerá em 31 de dezembro de 2023”, afirmou o ministro das Comunicações, Fábio Faria, durante evento em que assinou a portaria que cria o Digitaliza Brasil.

A iniciativa viabiliza a segunda fase de transição do sinal de televisão analógico para o digital. O foco agora é avançar na digitalização principalmente nos municípios menores. A ideia é permitir que outorgas rápidas e desburocratizadas sejam disponibilizadas aos municípios intermediários, cidades com pelo menos um canal digital cuja digitalização será feita com recursos privados.

Permitirá também que o Governo Federal apoie com recursos financeiros cerca de 1,6 mil municípios que transmitem apenas sinal analógico. De acordo com o Ministério das Comunicações, esses recursos envolvem, por exemplo, a distribuição de até quatro milhões de kits de recepção para a população dos programas assistenciais do Governo Federal.

FM no celular

Outra portaria assinada pelo ministro Fábio Faria, também nessa terça-feira (4), cria a política para habilitação do chip de FM para aparelhos de celular. “Quase 90% dos celulares no Brasil tem o rádio, mas eles não são ligados. Isso não gera nenhum custo para as empresas.”

E explicou: “A portaria assegura que celulares capazes de receber FM não sejam bloqueados na funcionalidade. Apenas as empresas fazendo essa ligação, nós teremos condições de levar informações acerca da Covid-19 e de vários assuntos importantes para os brasileiros.”

O secretário de Radiodifusão, do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, afirmou que o rádio é um meio próximo da população, que informa, entretém e presta serviços com qualidade.

“Assegurar a recepção da FM nos smartphones que já tem essa função embutida alia o Brasil com iniciativas já realizadas em outros países, protege o direito do consumidor e cumpre o dever constitucional de direito à informação para a população brasileira”, ressaltou.

Som imersivo

Já imaginou assistir a um jogo de futebol pela TV e ouvir só a torcida do seu time? Ou um show, que você perdeu, e ter a experiência de estar pertinho do palco? É essa a imersão e personalização do áudio que é possível vivenciar por meio da tecnologia de “som imersivo”, que adota os padrões técnicos E-AC-3, MPEG-H e AC-4. A tecnologia foi um dos destaques na Semana das Comunicações.

O som imersivo condensa em um único aparelho (no soundbar, no celular, no computador ou na própria televisão) efeitos que só eram possíveis com o sistema 5.1 – aquele conjunto de cinco a seis caixas de áudio, conhecido como home theater, cujo objetivo é reproduzir o ambiente de cinema, com o som sendo percebido de várias direções.

No Brasil, o conteúdo compatível com o som imersivo é disponibilizado pela maioria das plataformas de streaming (que permite assistir vídeos ou ouvir música sem precisar baixar) e por algumas emissoras de TV aberta.

Segundo Martinhão, a expectativa é que durante as Olimpíadas de 2021, as transmissões sejam feitas com essa tecnologia: “Com o som imersivo, a gente consegue a experiência de sentir de onde o som está vindo, ouvi-lo de várias direções e não é mais necessário ter essas caixas espacialmente distribuídas. Hoje há televisores no mercado que já vêm com essa possibilidade e o som da própria TV te dá essa sensação imersiva”.

Com informações do Ministério das Comunicações

Source: Portal Gov.br

Governo abre consulta pública sobre incorporação de exame no SUS

0

O Ministério da Saúde quer saber sua opinião sobre um novo teste para detecção de Mycobacterium tuberculosis, grupo de bactérias que causa a tuberculose e pode ser resistente a medicamentos contra a doença.

Qualquer pessoa ou instituição pode contribuir na consulta, com sugestões, relatos de experiências pessoais ou conteúdo científico. Também podem participar pessoas que convivem com a doença, especialistas, pesquisadores e profissionais de saúde. As manifestações podem ser enviadas até 20 de maio.

Para o diagnóstico da tuberculose, atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza teste rápido molecular (TRM-TB), o teste de cultura e a baciloscopia, que detectam a presença da bactéria no escarro do paciente.

A utilização dos testes de sonda em linha, método que investiga tiras de DNA da bactéria, poderia agilizar o início do tratamento em casos de multirresistência a drogas utilizadas contra o agente infeccioso, de acordo com resultados de pesquisas apresentado à Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec).

Tuberculose

A tuberculose é considerada um grande problema para a saúde pública mundial. Embora a doença possa aparecer em outros órgãos e/ou sistemas do corpo, a maioria dos casos costuma afetar os pulmões. Os principais sintomas são tosse persistente, febre e suor durante a noite.

O Ministério da Saúde está elaborando o “Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública – Estratégias para 2021-2025”, documento que apresenta recomendações para estratégias de enfrentamento da doença para os próximos cinco anos.

Participe da consulta

Com informações do Ministério da Saúde

Source: Portal Gov.br

Leilão do 5G é prioridade para o Governo este ano

0

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou, nesta terça-feira (4), que o leilão do 5G é uma prioridade para levar conectividade à população e acabar com o “deserto digital” que ainda existe no país. O 5G é uma conexão de internet móvel mais rápida, ágil e econômica.

“Este ano, temos uma prioridade que é o leilão de 5G. Desde o ano passado, quando assumi o ministério, colocamos isso diante da nossa mesa como uma meta número um, porque nós sabemos o que significa para o país”, afirmou o ministro ao participar de evento on-line que discutiu a ampliação e melhorias das telecomunicações no Brasil, promovido pela Associação Brasileira de Infraestrutura para Telecomunicações (Abrintel).

“Uma das nossas obrigações com o leilão é acabar com o deserto digital, levando internet, levando infraestrutura para localidades acima de 600 habitantes, para todas as estradas federais”, ressaltou Fábio Faria.

O ministro lembrou que o modelo do leilão foi pensado para garantir também investimentos em infraestrutura. “O que mais a gente precisa é isso, investir em infraestrutura, por isso que minha defesa desde o começo é que o leilão fosse não arrecadatório, que a gente pudesse, ao invés de receber um cheque, receber vários investimentos no setor, porque passamos muitos anos sem investir.”

Expansão da infraestrutura

Durante o evento, foi lançado o Movimento Antene-se, que é integrado por um conjunto de entidades na busca de chamar a atenção para os entraves legais que dificultam a ampliação da infraestrutura de conectividade no país. Uma das propostas é difundir a ideia de que a infraestrutura de antenas é parte fundamental para o desenvolvimento econômico, social e das redes 4G e 5G.

“No 5G, nós teremos 44 mil antenas até 2029. Essa é uma previsão. Sabemos que o 5G precisa de dez vezes mais antenas que o 4G, para isso precisamos fazer com que esse Movimento Antene-se realmente ocorra de fato”, defendeu o ministro das Comunicações.

Ele lembrou que, em setembro de 2020, foi elaborado decreto que regulamenta a Lei Geral da Antenas, legislação que estabelece normas gerais para implantação e compartilhamento da infraestrutura de telecomunicações. A lei trata de pontos como o direito de passagem e a previsão do silêncio positivo, instrumento que permite que as empresas de telecomunicações possam instalar as antenas em caso de a Administração Pública demorar dois meses para responder ao pedido de licença.

Source: Portal Gov.br

Anatel disponibiliza ferramenta para mapeamento de sinais de telefonia e banda larga móvel

0

Tem novidade boa na área para quem utiliza serviços de telefonia e banda larga móvel. Seguindo a programação da Semana Nacional das Comunicações, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) disponibilizou o “Painel Cobertura Móvel”, uma ferramenta que contém mapas interativos com a distribuição da cobertura de telefonia móvel por todo o país.

O novo recurso permite que o consumidor consiga verificar a existência de redes 3G ou 4G com cobertura dentro de sua própria residência, nas ruas, trabalho, faculdade.

O presidente da Anatel, Leonardo de Morais, enfatizou que a disponibilização do Painel Cobertura Móvel segue uma das principais diretrizes da atual gestão da Agência: “o empoderamento do consumidor através de transparência e informação”.

Ele também citou a importância da nova ferramenta. “Nessa perspectiva é fundamental aprimorar os dados setoriais e compartilhar essas informações com diversos setores, como acadêmicos, formuladores de políticas públicas, imprensa e sociedade civil organizada”, conclui.

Com o Painel Cobertura Móvel, as instituições de pesquisa e órgãos públicos poderão fazer estudos e propor políticas públicas voltadas à expansão da banda larga móvel e das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) com um conjunto de dados mais robusto, que inclusive diferencia áreas urbanas das rurais.

Acesse o Painel Cobertura Móvel

Com informações do Ministério das Comunicações

Source: Portal Gov.br

Florestas Nacionais qualificadas para concessão seguirão modelo de manejo sustentável

0

As primeiras concessões florestais na região Sul foram incluídas no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) em abril. São a Floresta Nacional (Flona) de Chapecó (PR), a Floresta Nacional de Irati (PR) e a Floresta Nacional de Três Barras (SC), que somam quase 10 mil hectares. As concessões abrangem a prática de manejo florestal, que alia o desenvolvimento e geração de emprego e renda à proteção ambiental.

A concessão florestal permite ao concessionário apenas o direito de praticar o manejo florestal sustentável, que é aquele que emprega técnicas que tornam possível extrair produtos com o menor impacto ambiental possível. Isso significa que as empresas podem extrair produtos madeireiros e não madeireiros, além de oferecer serviços de turismo.

O diretor de Concessões Florestais e Monitoramento, do Serviço Florestal Brasileiro, Paulo Carneiro, explicou que o manejo florestal sustentável é uma prática reconhecida mundialmente. “Ao valorizar a floresta em pé, o manejo permite que a gente use, que a sociedade reconheça naquela floresta um valor. E isso ajuda na conservação. Então, o manejo é uma prática sustentável e de baixíssimo impacto na floresta.”

O Brasil tem quase 310 milhões de hectares de florestas públicas, a maior parte localizada na região amazônica. Em torno de 30 milhões de hectares estariam potencialmente aptos a serem incluídos na concessão florestal, segundo Paulo Carneiro.

Outras iniciativas

Também em abril, três Florestas Nacionais localizadas no estado do Amazonas foram qualificadas para concessão à iniciativa privada no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). A Flona de Balata-Tufari, Flona de Pau Rosa e Flona de Jatuarana.

Manejo e desenvolvimento

Os principais objetivos da política de concessões florestais são conservar as florestas públicas brasileiras, promover a produção sustentável, estimular o desenvolvimento econômico regional e melhorar a qualidade de vida das populações que vivem no entorno dessas áreas, de acordo com o Serviço Florestal Brasileiro.

O diretor Paulo Carneiro explicou que os concessionários estão sujeitos a um controle rígido das atividades, que inclui um sistema de cadeia de custódia e de sensoriamento remoto que detecta corte seletivo da floresta, além de vistorias a cada três anos e auditoria independente nos contratos. “Temos bastante segurança em afirmar que os contratos estão sendo bem cumpridos e isso acarreta em um bom manejo da floresta e um baixo impacto ambiental.”

Concessão em números

De acordo com o Serviço Florestal Brasileiro, as concessões florestais do Governo Federal arrecadaram, até fevereiro deste ano, R$ 102 milhões. O valor representa a soma de todos os pagamentos recebidos das empresas concessionárias desde o início do programa, em 2010, e se refere aos 15 contratos ativos.

Source: Portal Gov.br

Saúde da mulher contempla cuidados específicos

0

A saúde da mulher vai além de questões ginecológicas e deve contemplar, além do bem-estar físico, a saúde mental e emocional, incluído o planejamento familiar, que também faz parte desse rol de cuidados necessários. O funcionamento do corpo feminino tem peculiaridades quando comparado ao organismo do homem, o que gera doenças e distúrbios específicos. Essas especificidades são ainda maiores quando se trata de públicos como mulheres negras, indígenas, privadas de liberdade ou mesmo aquelas que vivem em zonas rurais.

A saúde ginecológica, é claro, não pode ficar de lado e engloba vários aspectos do bem-estar feminino. Nesse sentido, entre os fatores que devem ser observados pelas mulheres estão: alterações do ciclo menstrual, sangramentos transvaginais anormais, sangramentos após a menopausa, dor pélvica aguda ou crônica, nódulos mamários, infertilidade, corrimentos vaginais, úlceras genitais, verrugas vulvares, dor ao urinar, incontinência urinária, dor durante a relação sexual e alterações na sexualidade.

“Em todos esses casos, a atenção médica deve ser procurada para avaliação e acompanhamento adequado”, explica a chefe da Unidade de Atenção à Saúde da Mulher, da Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC), da Universidade Federal do Ceará (UFC), Muse Santiago. A UFC faz parte da Rede Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que administra 40 hospitais universitários federais no país.

Saúde ginecológica

Mulheres devem dedicar-se aos cuidados com a higiene íntima; a exames ginecológicos de rotina para prevenção e detecção precoce do câncer ginecológico; e ao uso regular de preservativos, a fim de evitar infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

“As mulheres devem cuidar de sua saúde ginecológica por meio da prevenção de gravidez não planejada; da escolha adequada de métodos anticoncepcionais; do autoexame mamário e da realização de mamografia periódica (a depender da idade) para identificação de nódulos ou outras alterações”, pontua Muse Santiago.

Saúde reprodutiva

Muse explica também que a busca de atendimento profissional para o planejamento reprodutivo é fundamental para otimizar a possibilidade de sucesso do método anticoncepcional escolhido, levando em consideração aspectos como segurança e eficácia: “Por fazer parte de sua formação acadêmica, o profissional mais indicado nestes casos é o médico ginecologista e obstetra. O mesmo observará os riscos e benefícios de cada método, com base na condição clínica da mulher”.

Ela esclarece também que os profissionais observarão aspectos e características referentes ao tipo de método proposto (se é reversível ou não, se é cirúrgico, se é hormonal, se é de longa ou curta duração etc.) e avaliar cada caso especificamente, de acordo com os objetivos, interesses e crenças da paciente. A escolha, segundo Muse, é uma decisão conjunta entre a mulher e o profissional de saúde.

Gravidez, pré-natal e neonatal

A especialista da Maternidade Escola Assis Chateaubriand explica que o pré-natal é “de fundamental importância” para a prevenção e a detecção precoce de doenças maternas ou fetais, permitindo um desenvolvimento saudável do bebê e reduzindo os riscos da gestante.

“Durante o acompanhamento pré-natal, é possível identificar doenças como hipertensão arterial, diabetes, doenças cardíacas, anemias, doenças infecciosas (sífilis, por exemplo). Seu diagnóstico permite medidas de tratamento que evitam maior prejuízo à mulher não só durante a gestação, mas também por toda a sua vida.”

A atenção profissional durante o parto, segundo a profissional, também é fundamental para identificar eventuais complicações e possibilitar, quando necessário, intervenções adequadas.

Cânceres

De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer, os cânceres mais prevalentes na população feminina são o câncer de mama, cólon e reto, colo do útero, pulmão e tireoide.

A incidência do câncer colorretal é semelhante entre homens e mulheres e está relacionado a fatores genéticos e hábitos de vida, como obesidade, sedentarismo e fatores associados à dieta. O câncer de pulmão, por sua vez, é mais comum em homens, mas aumentou muito entre as mulheres, e a causa principal é o maior consumo de tabaco, observado entre a população feminina ao longo dos anos.

O câncer de tireoide, glândula responsável por controlar diversas funções do metabolismo, é três vezes mais frequente no sexo feminino, explica Muse Santiago: “Embora sem causa determinada, alguns estudos apontam que fatores hormonais e alimentares estão ligados ao desenvolvimento deste tumor”.

A prevenção contra esses cânceres envolve exames ginecológicos de rotina; mamografia anual a partir dos 40 anos; adoção de hábitos saudáveis (evitar o tabagismo, adotar uma dieta rica em fibras, frutas e vegetais etc.). “Também está indicada realização de colonoscopia periódica, a partir dos 50 anos, para detecção precoce deste último. A atividade física regular representa um fator protetor para a maioria dos cânceres.”

Saúde mental

A saúde mental de mulheres possui peculiaridades com relação à de homens. Muse Santiago explica que isso se deve às típicas flutuações hormonais, que ocorrem nas diferentes fases do ciclo menstrual, na gravidez, amamentação e menopausa. Além desses fatores, a cobrança social em relação a padrões de vida e beleza elevam o nível de estresse entre as mulheres.

Por conta de todos esses fatores, mulheres estão mais propensas às alterações de humor e transtornos de ansiedade, sendo mais suscetíveis a sofrerem de depressão. Dessa maneira, os cuidados devem ser diferentes para esse público. “Mulheres também têm maior probabilidade de acumularem mais de um distúrbio mental ao mesmo tempo e são mais suscetíveis a sofrerem de estresse pós-traumático”, esclarece Muse.

Períodos pré e pós-menopausa

Ainda segundo Muse, após a menopausa, é mais comum o surgimento de doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, dislipidemias, artrite reumatoide e osteoporose, bem como cânceres, ginecológicos ou não. “Além do ginecologista, por vezes, é necessário seguimento por outros especialistas, como cardiologista, endocrinologista, geriatra, reumatologista e oncologista, a depender de cada caso.”

Idade avançada

A atenção à saúde do homem idoso, segundo explica Muse Santiago, se diferencia da saúde da mulher idosa por peculiaridades que envolvem diferenças físicas, sociais, emocionais e epidemiológicas, no que diz respeito à maior prevalência de determinadas doenças a depender do gênero.

“No homem idoso, os cuidados diferenciados são destinados à prevenção e diagnóstico precoce do câncer de próstata, enquanto na mulher idosa este cuidado está direcionado ao câncer de mama, endométrio, ovário e colo uterino. A prevalência de osteoporose também é mais comum em mulheres idosas.”

Com informações da Ebserh

Source: Portal Gov.br

Redes Sociais