HMS Prince Of Wales sai de Portsmouth pela primeira vez

O mais novo porta-aviões da Marinha Real, HMS Prince of Wales, partiu de seu porto de origem pela primeira vez hoje, para visitar Liverpool. o porta-aviões permanecerà em Liverpool para uma visita de uma semana, chegando ao rio Mersey na sexta-feira, 28 de fevereiro.

Multidões alinharam-se nas docas de Portsmouth Harbor para ver e fotografar o navio de guerra de 65.000 toneladas e 3,1 bilhões de libras esterlinas quando este partiu para uma semana de estadia em Liverpool, que deve começar em 28 de fevereiro, quando a embarcação estarà aberta à visitação publica.

O HMS Prince of Wales é uma embarcação de 919 pés, um dos dois na nova classe de navios Queen Elizabeth, mais alta que a Coluna de Nelson e com uma superficia do tamanho de três campos de futebol, terá pelo menos 700 marinheiros servindo a bordo e capacidade para acomodar cerca de 1.600 militares ou mais.

O porta-aviões HMS Prince of Wales é o oitavo navio da Marinha com o respectivo nome.

A principal atração técnica dos novos porta-aviões britânicos; a capacidade de transportar 36 jatos F-35 Lightning II e quatro helicópteros (configuração variàvel), além de suprimentos suficientes para durar 45 dias.

Mais imagens:

#td_uid_1_5e4daba2cad4f .td-doubleSlider-2 .td-item1 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/22052758-8020455-Members_of_the_ship_s_company_look_focused_at_the_commissioning_-a-22_1582125862545-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e4daba2cad4f .td-doubleSlider-2 .td-item2 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/24935376-8020455-image-a-20_1582125508788-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e4daba2cad4f .td-doubleSlider-2 .td-item3 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/24935378-8020455-Naval_engineers_will_put_the_behemoth_through_her_paces_at_sea_t-a-19_1582125481566-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e4daba2cad4f .td-doubleSlider-2 .td-item4 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/24935382-8020455-image-a-21_1582125630368-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e4daba2cad4f .td-doubleSlider-2 .td-item5 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/24935384-8020455-image-a-18_1582125442365-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e4daba2cad4f .td-doubleSlider-2 .td-item6 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/24935388-8020455-image-a-7_1582124662323-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e4daba2cad4f .td-doubleSlider-2 .td-item7 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/24935392-8020455-image-a-2_1582124613005-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e4daba2cad4f .td-doubleSlider-2 .td-item8 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/24935396-8020455-image-a-3_1582124650686-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}

Marinha Indiana fortalece frota com navios para guerra antissubmarino no oceano Índico

Em meio à disputa com a China para permanecer como força dominante, a Marinha indiana resolveu fortalecer sua frota acrescentando navios de guerra antissubmarino (ASW) no oceano Índico.

A empresa estatal Garden Reach Shipbuilders & Engineers Ltd (GRSE) entregou as embarcações, consideradas uma plataforma ASW extremamente versátil com capacidade de neutralizar submarinos inimigos com torpedos e lançadores de foguetes. Além disso, o equipamento é eficaz tanto na região litorânea quanto em mar aberto.

“As corvetas ASW colocaram a Marinha em clube de elite dos países que construíram navios furtivos”, afirmou a GRSE, ressaltando que as capacidades furtivas tornam os navios quase invisíveis, tanto acima quanto abaixo da superfície do mar.

O navio Kavaratti tem 109 metros de comprimento, e é o último da série de quatro navios de guerra antissubmarino (ASWC). A embarcação está equipada para enfrentar condições de guerra nuclear, biológica e química, além de contar com a integração de uma série de armas e sensores.

O Ministério da Defesa da Índia ordenou a construção e entrega de 16 embarcações de águas rasas de guerra antissubmarino, depois de observar o crescimento da Marinha chinesa, que estaria construindo aproximadamente 20 navios de guerra por ano.

  • Com agências internacionais

O post Marinha Indiana fortalece frota com navios para guerra antissubmarino no oceano Índico apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Bombardeiros da Segunda Guerra Mundial são encontrados no Pacífico 76 anos depois

Cientistas e arqueólogos do Instituto de Oceanografia Scripps da Universidade da Califórnia em San Diego e da Universidade de Delaware, localizaram os restos de três bombardeiros americanos desaparecidos há 76 anos. As aeronaves da Segunda Guerra Mundial foram localizadas nas águas do Pacífico por integrantes da organização Project Recover.

Os especialistas do Instituto de Oceanografia Scripps encontraram dois bombardeiros de mergulho Douglas SBD-5 Dauntless e um avião-torpedeiro Grumman TBF-1 Avenger em uma lagoa costeira nas ilhas Chuuk, um arquipélago localizado no sudoeste do oceano Pacífico que faz parte dos Estados Federados da Micronésia.

As aeronaves, que continham uma tripulação de até sete membros, participaram durante os dias 17 e 18 de fevereiro de 1944 da Operação Hailstone contra uma base aeronaval japonesa.

“Nossa pesquisa incluiu narrativas históricas de testemunhas oculares, de informações militares oficiais, documentos da missão, mapas, imagens da batalha e entrevistas com moradores. Este esforço reduziu as possíveis áreas de busca das aeronaves específicas e motivou as expedições”, destacou Colin Colbourn, historiador-chefe da organização.

Quatro expedições já foram realizadas desde abril de 2018 até dezembro de 2019. Em um prazo de 50 dias, a equipe rastreou 70 km² do fundo do oceano e encontrou os restos dos bombardeiros a uma profundidade entre 30 e 60 metros.

“Nossa pesquisa indica que há 28 aviões adicionais da Segunda Guerra Mundial desaparecidos na lagoa costeira de Truk , relacionados com 103 pessoas que foram declaradas desaparecidas em combate”, comentou Derek Abbey, diretor-executivo do projeto e ex-piloto naval.

“O Project Recover tem a honra de desempenhar seu papel para manter a promessa de nossa nação de repatriar nossos militares mortos e seguimos comprometidos a localizar mais norte-americanos desaparecidos em ação em Chuuk e em todo o mundo”, ressaltou.

  • Com agências internacionais

O post Bombardeiros da Segunda Guerra Mundial são encontrados no Pacífico 76 anos depois apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Estudo aponta que capacete da 1ª Guerra Mundial protege mais do que os utilizados atualmente

Segundo um recente estudo, um capacete francês utilizado por militares durante a Primeira Guerra Mundia, protegeria mais e melhor aos efeitos de uma explosão, do que o equipamento atual utilizado pelos militares das Forças Armadas dos EUA.

“Os engenheiros em ciência biomédica da Universidade Duke (EUA) demonstraram que os capacetes militares modernos não protegem melhor a cabeça de ondas de choque criadas por uma explosão que os equivalentes da Primeira Guerra Mundial”, revelou um estudo sobre equipamentos militares, exibido no canal France 24.

“Um modelo particular, o capacete francês Adrian, apresenta de fato melhores resultados que os modelos modernos na proteção contra explosões”, acrescenta o estudo, enquanto o Pentágono anuncia que 109 militares sofreram contusões devido aos impactos de mísseis iranianos em um base no Iraque.

O capacete Adrian foi distribuído a partir de 1915 para proteger as tropas francesas de estilhaços de explosões nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial. Ele equipou o Exército romeno durante a Primeira Guerra Mundial e depois.

Pesquisadores americanos compararam três capacetes desse período e modelos utilizados atualmente pelo Exército dos EUA, considerando que as batalhas em trincheiras foram as mais semelhantes aos atuais combates com grupos jihadistas.

A pressão exercida sobre os capacetes foi à necessária para provocar hemorragias cerebrais e os testes demonstram que o risco foi de 50% sem proteção, 5% com o atual modelo dos EUA e somente 1% com o capacete francês, detalha o estudo.

“A principal diferença é a crista que existia na parte superior do capacete. Mesmo que ela tenha sido concebida para proteger de estilhaços de metal, esta característica poderia muito bem proteger de ondas de choque”, conclui Joos Op’t Eynde, um dos autores do estudo, antes de recomendar um novo design para novos modelos.

  • Com agências internacionais

O post Estudo aponta que capacete da 1ª Guerra Mundial protege mais do que os utilizados atualmente apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Governo venezuelano anuncia exercícios militares permanentes e de ‘surpresa’

O governo venezuelano por meio de seu presidente, Nicolás Maduro, anunciou nesta segunda-feira (17) que o país irá realizar exercícios militares de “surpresa”, a qualquer hora e de maneira permanente. As atividades terão manobras que podem envolver milhares de integrantes das Forças Armadas da Venezuela.

“Anuncio que os exercícios militares ‘Escudo Bolivariano 2020’ estarão ativos e vamos surpreender. A partir de hoje não anunciaremos o dia do exercício militar nem a região”, disse Maduro durante reunião com chefes militares, na qual divulgou um balanço das manobras realizadas durante o fim de semana.

Maduro, que apareceu vestido de militar, explicou que “horas antes” da realização destes exercícios, os chefes dos batalhões das Forças Armadas e da Milícia, um componente dos civis integrado às Forças Armadas, “serão orientados”.

Tudo isso para receber “as ordens de operação para ativar toda a força militar, toda a força da Milícia e toda a força policial”. São “exercícios que podem começar pela manhã” e “que serão devidamente informados” aos cidadãos “quando ocorrerem”.

Por exemplo, se fossem ordenadas manobras de surpresa às duas horas da manhã, o ministro da Defesa, Vladimir Padrino, “aparecerá dizendo” aos cidadãos que a mobilização de tropas se deve a um exercício de determinadas características.

“Isso será permanente para ter a felicidade da paz e da segurança. Com paz e segurança, tudo é possível”, acrescentou o mandatário. Maduro reiterou que o governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, quer atacar militarmente a Venezuela.

“Ele está pensando em terrorismo, violência, invasões, guerra, é nisso que Donald Trump está pensando. Não queremos guerra, não queremos terrorismo, nem violência, mas não temos medo de combater com as armas na mão para defender a paz, a integridade territorial e o futuro da Venezuela”, advertiu Maduro, ao enfatizar que o governo venezuelano está preparado para o combate.

  • Com informações da agência de notícias EFE

O post Governo venezuelano anuncia exercícios militares permanentes e de ‘surpresa’ apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Comunicado do Comando da Aeronáutica sobre o caso dos AH-2 Sabres

A DefesaTV divulgou na data de ontem, 18 de fevereiro, uma matéria relacionando discussões sobre uma possível venda dos AH-2 Sabres no qual aeronaves de asas rotativas (helicópteros) estão a serviço no Esquadrão Poti (2º/8º GAV) na ALA 6 em Rondônia – RO. Em resposta a nossa solicitação, o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica – CECOMSAER informou o posicionamento do Comando da Aeronáutica.

“Em relação às matérias veiculadas no mês de fevereiro do corrente ano sobre uma possível negociação das aeronaves AH-2 Sabre (MI-35) da FAB, o Comando da Aeronáutica informa que não há qualquer tipo de tratativa, nesse sentido, em andamento.”

Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, ainda na mensagem, reitera o compromisso firmado pela Instituição perante seus contratos.

“O Comando da Aeronáutica prossegue no objetivo de incrementar a disponibilidade de seus meios, por intermédio de ações de manutenção executadas pelos seus especialistas e aquisição de material junto aos seus fornecedores, não havendo nenhuma previsão, até o momento, de descontinuidade na operação desta frota.”

A DefesaTV agradece ao CECOMSAER pelo retorno e reiteramos nosso compromisso pela verdade e qualidade nas informações prestadas aos nossos leitores.

Veja a matéria anterior:

Os helicópteros Sabres AH-2 (MI-35) da FAB serão vendidos? Entenda o que aconteceu.

 

Imagens: FAB
Agradecimento: 
ASSESSORIA DE IMPRENSA
Centro de Comunicação Social da Aeronáutica

O post Comunicado do Comando da Aeronáutica sobre o caso dos AH-2 Sabres apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Os helicópteros Sabres AH-2 (MI-35) da FAB serão vendidos? Entenda o que aconteceu.

Informações que circulam em diversas redes sociais, principalmente em grupos de whatsapp, relacionando as aeronaves AH-2 SABRE e uma suposta venda para o Exército Nacional da Líbia, será verdade?

Atualmente estas aeronaves de asas rotativas (helicópteros) estão a serviço no Esquadrão Poti (2º/8º GAV) na ALA 6 em Rondônia – RO.

Entenda o caso
Desde o dia 15 de fevereiro, circulam informações provenientes de um site francês de nome ”Intelligence OnLine”¹, citando que o governo brasileiro estaria envolvido em um acordo de venda junto ao Exército Nacional da Líbia por intermédio do governo dos Emirados Árabes. Provavelmente esta relação tenha sido considerada a partir da visita do Presidente da República Federativa do Brasil, Senhor Jair Bolsonaro em resposta ao convite de Sua Alteza o Xeique Mohammed bin Zayed Al Nahyan, Príncipe Herdeiro de Abu Dhabi e Vice-Comandante Supremo das Forças Armadas dos Emirados Árabes Unidos em 27 de outubro de 2019.

Foto: Reuters

De acordo com o Itamaraty², nesta viajem oficial, os líderes decidiram alçar as relações bilaterais ao nível de parceria estratégica, tendo assinado Memorando de Entendimento sobre a Parceria Estratégica entre Brasil e Emirados Árabes Unidos, nas áreas de paz e segurança, cooperação econômica, cooperação em energia e cooperação em turismo, cultura e esportes. Na ocasião, outros acordos internacionais também foram assinados nos campos de inteligência artificial, meio ambiente, defesa, comércio e cooperação aduaneira.

No dia 13/02/2020 foi publicado no Diário Oficial da União³ o MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE PARCERIA ESTRATÉGICA ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E OS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS.

O site ”Intelligence OnLine”, ainda informa, que de acordo com suas fontes, o General Khalifa Haftar no qual estaria adquirindo grande lote de material militar na sua luta contra o Governo de Trípoli, que em uma possível negociação triangular os Mi-35 brasileiro (AH-2 Sabre) poderiam estar a caminho de Benghazi para compor o Exército Nacional da Líbia. Esta suposta negociação triangular teria por intermédio os Emirados Árabes, em troca de financiamento para a aquisição de novas aeronaves.

No domingo, dia 16 de fevereiro em uma rede social e com a postagem fixada, o Comandante-Geral de Apoio, Tenente-Brigadeiro do Ar Baptista Junior, declarou “Como Membro do Alto-Comando da FAB e seu Comandante Logístico, informo que não há qualquer negociação neste sentido.”De acordo com a afirmação do Comandante-Geral de Apoio, entendemos que as informações compartilhadas pelo site francês não são verídicas!

A DefesaTV aproveita para ressaltar que realizamos nesta segunda feira, 17 de fevereiro contatos por telefone e e-mail junto ao Centro de Comunicação Social da Aeronáutica – CECOMSAER, mas até o fechamento da matéria não obtivemos nenhum posicionamento oficial da Força.

 

Créditos:
Matéria: Luiz Camões
Fotos/imagens: FAB e Agência Reuters

Fontes:
¹ https://www.intelligenceonline.com/corporate-intelligence/2020/02/12/brazilian-mi-35-may-be-on-their-way-to-benghazi,108393511-bre

² http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/notas-a-imprensa/21031-declaracao-conjunta-por-ocasiao-da-visita-oficial-aos-emirados-arabes-unidos-de-sua-excelencia-o-presidente-da-republica-federativa-do-brasil-senhor-jair-bolsonaro-abu-dhabi-27-de-outubro-de-2019

³ http://www.in.gov.br/web/dou/-/memorando-de-entendimento-sobre-parceria-estrategica-entre-a-republica-federativa-do-brasil-e-os-emirados-arabes-unidos-243057572

O post Os helicópteros Sabres AH-2 (MI-35) da FAB serão vendidos? Entenda o que aconteceu. apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Navio com dois casos suspeitos do novo coronavírus atracará em Santos

O navio de bandeira chinesa Kota Pemimpin que tem dois tripulantes com sintomas suspeitos do novo coronavírus chegará à costa brasileira na tarde de hoje (16) e atracará amanhã (17), no Porto de Santos (SP).

Procedente de Singapura, o Kota Pemimpin esteve em portos chineses nos últimos 30 dias. O navio passou por Xangai em 17 de janeiro, Ningbo no dia 19, Yantian no dia 22; e Hong Kong em 23 de janeiro deste ano. Apesar de chegar hoje, o navio só poderá atracar a partir das 23h de amanhã (17), devido às condições de maré.

Segundo informações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o capitão do navio encaminhou ao órgão, na sexta-feira (14), a documentação exigida para a atracação no Porto de Santos. Após a análise do pedido, chamado de Livre Prática, foi possível verificar, por meio da Declaração Marítima de Saúde e do Livro Médico de Bordo da embarcação, a presença a bordo de dois tripulantes que apresentaram sintomas gripais, como tosse e dor de garganta.

“Por precaução e em observância ao dever de cautela exigido pelo atual cenário epidemiológico global, será feita a Livre Prática a bordo para verificação das condições de saúde dos tripulantes e higiênico-sanitárias da embarcação”, informa a Anvisa, em nota.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Santos informou que foi notificada pela Anvisa sobre o caso dos dois tripulantes com sintomas suspeitos do novo coronavírus e que vai apoiar a investigação epidemiológica na embarcação quando ela atracar no Porto de Santos.

Em nota, a secretaria destacou ainda que a rede municipal está preparada para atender casos suspeitos da doença e, na quarta-feira (12), participou de um simulado no cais santista organizado pela Anvisa.

Na sexta-feira (14), o Ministério da Saúde informou que investiga quatro casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus no Brasil. Das quatro pessoas ainda sob suspeita de ter o vírus, cujo epicentro ocorreu na cidade chinesa de Wuhan, há uma criança de 2 anos, um adulto de 56 anos e duas pessoas na faixa dos 20 anos. Duas pessoas são do sexo masculino e duas são mulheres. Todos têm histórico de viagem à China, mas não a Wuhan.

Quarentena

O Ministério da Defesa informou ontem (15) que os 58 brasileiros que regressaram da China e cumprem um período de quarentena em Anápolis (GO) seguem sem sintomas de contaminação pelo novo coronavírus.

Segundo a nota, os repatriados “passaram pelas avaliações clínicas previstas e permanecem com o quadro assintomático”.

As avaliações de saúde são feitas pelo Laboratório Central do Estado de Goiás (Lacen) em todos os 34 brasileiros resgatados e nos 24 profissionais, divididos entre tripulação, médicos e equipe de comunicação, que foram à China durante a Operação Regresso.

Os brasileiros que não apresentarem sintomas da doença serão liberados depois de 18 dias de isolamento. Eles estão hospedados na Base Aérea de Anápolis desde o último domingo (9).

Fonte: Valor

O post Navio com dois casos suspeitos do novo coronavírus atracará em Santos apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

0 Concorde 02 do Museu Delta de Athis-Mons

Quando algum aficcionado da aviação pensa no supersônico Concorde exposto em museus, logo vem em mente visitar o exemplar 01 (BAC-Sud Aviation Concorde prototype 001 F-WTSS) ou o exemplar “Sierra Delta” (n°213 – F-BTSD Air France), ambos preservados no Musée de l’Air et Espace de Le Bourget. 

Apesar de existirem outras aeronaves Concordes preservadas em diversos museus da Europa e dos EUA, uma das mais interessantes està  exposta em um museu que é considerado um dos menores do mundo, o Concorde 02 (fabricação de série francesa).
Este Concorde, era apenas um monumento no aeroporto de Orly desde 1976 até o ano de 1988, quando ficou exposto em um estacionamento pùblico externo do aeroporto (Parking P7 ao lado da Aérogare) junto com o jato Caravelle 01 (infelizmente destruido no final dos anos 70), quando finalmente em 1988 o local atual do Musée Delta foi estruturado para a realocação do Concorde 02, como de outras aeronaves expostas no Aeroporto de Orly.

O Museu Delta (Athis-Mons) é uma instalação realmente muito pequena, localizado nos arredores do aeroporto de Paris-Orly Sud, na cidade francesa de Athis-Mons, no departamento de Essonne e a região Île-de-France (Paris metropolitana), no extremo sul da pista 02/20, entre a estrada nacional 7 , chamada avenida François-Mitterrand e a estrada de serviço “E” do aeroporto. 

E o Musée Delta de tão pequeno, raramente chega a aparecer nas listas de museus oficiais e/ou de recomendações do meio aeronàutico. 

A maior facilidade em encontrà-lo é que basta ir até o final da linha 7 do tramway em Athis-Mons, e serà impossìvel não perceber o Concorde 02 se destacando na paisagem urbana local.
O Concorde 02 “F-WTSA”
Após os primeiros testes dos protótipos Concorde, o 001 na França em Toulouse — primeiro vôo em 2 de março de 1969, e o 002 na Inglaterra, efetuou o primeiro vôo em 9 de abril de 1969 (ou seja, seis semanas mais tarde), os técnicos confirmaram sua capacidade de operar uma aeronave de transporte civil para passageiros que voaria em velocidade supersônica, ou seja, no campo da aeronave militar mais eficiente, porque são duas vezes a velocidade do som, ou seja, Mach 2, mais de 2.200 quilômetros por hora que o Concorde deveria evoluir, com todas as restrições tecnológicas que isso implicaria na época.
O Concorde 02 da pré-série francesa, seria na realidade o quarto avião Concorde montado e o segundo na fàbrica da Aerospatiale em Toulouse, e que fez seu primeiro voo em 10 de janeiro de 1973 (quase treze meses após o 01) e que foi o ponto culminante dos estudos da tecnologia supersônica franco-britânica . Todos os aviões de produção em série, o primeiro dos quais, número 201, decolaria onze meses depois, em 06 de dezembro de 1973, serão idênticos em forma, silhueta e dimensões às aeronaves da pré-série francesa. 

O layout do interior seria diferente daquele dos protótipos, cuja fuselagem continha apenas instalações técnicas. De fato, o layout com duas cabines permitirá que a parte frontal seja usada para o equipamento necessário para os técnicos de teste de vôo e para a instalação de dispositivos de registro de parâmetros de vôo, a cabine de popa acomoda trinta e quatro assentos de couro, uma pequena área de estar na entrada e uma pequena cozinha na outra extremidade. Seu uso seria reservado apenas para ações promocionais aos passageiros VIPs convidados.

Antes de se aposentar, com um arranjo específico, incluindo uma vigia no nível do telhado, transformada em laboratório voador, permitirá em 30 de junho de 1973 uma equipe de astrônomos seguir por 75 minutos um eclipse do sol na África, durante um voo entre Las Palmas e N’Djamena.

Restaurado ao seu estado original, efetuou seu 397º e último vôo em 19 de outubro de 1973 entre Toulouse e Le Bourget, onde será entregue ao Museu Aéreo e Espacial após 812 horas de voo, incluindo 254 em velocidade supersônica.

Portanto, é o Concorde 02 que terá êxito nos testes de voo com uma nova configuração. 
Na verdade, comparado ao avião original, encontramos o novo nariz testado no dispositivo de pré-produção britânico, a envergadura aumentou e passou de 23,80 metros para 25,60 metros, a deriva é alguns centimetros mais alta , a nova cauda longa é instalada, e, com o novo nariz, o comprimento varia de 51,80 metros a 62,19 metros.
A porta de acesso traseira (escada tipo Caravelle) desaparece em favor de um volume interior utilizável maior.O peso máximo de decolagem aumenta para 177 toneladas (três anos depois, no final do período de teste, será aumentou para 182 toneladas) e a capacidade de carga de combustível também é aumentada.

Como resultado de todas essas mudanças, a estrutura geral é reforçada, assim como o trem de pouso. Esta aeronave, em sua nova configuração, é o primeiro Concorde a cruzar o Atlântico Norte sem escalas.

Para aviões em série, o peso máximo de rolamento será aumentado para 185.300 toneladas, para uma carga máxima de decolagem de 185.070 toneladas. O peso máximo vazio seria de 111.130 toneladas.

Uma carreria com ensaios extremos e resistência

Em 7 de fevereiro de 1974, ele deixou Toulouse rumo à Fairbanks, no Alasca (com escala em Keflavik- Islândia), onde realizou uma campanha de teste em condições muito frias (a temperatura média de -45 ° C). Ele então nas cores das duas companhias aéreas dos países fabricantes, a British Airways à direita e a Air France à esquerda. Vários vôos serão feitos no local, após uma semana de testes em terra. Um voo de ida e volta para uma demonstração em Anchorage em 15 de fevereiro lhe permitirá esticar o trem de pouso. Ele seguirá o caminho oposto ao retornar a Toulouse em 19 de fevereiro.

Foi seu 117º vôo em 21 de março de 1974, em Toulouse, que o viu cruzar a marca de 300 horas e seu 135º vôo em 20 de maio, 150 horas de voo supersônico.

 Em 26 de maio de 1974, ele deixou Toulouse para Paris – Roissy Charles de Gaulle, para iniciar uma campanha de voo de resistência, o último passo antes da certificação.

 A partir de Roissy, entre 27 de maio e 5 de junho de 1974, ele fará cinco viagens de ida e volta Paris – Dakar – Rio de Janeiro em menos de 6 horas de voo real, das quais, entre quatro e cinco horas em velocidade supersônica, apenas interrompido por uma parada técnica de 50 minutos em Dakar.

 Em 5 de junho, ele fez a viagem de ida e volta Paris – Rio – Paris no mesmo dia, uma rota de 18.200 quilômetros, partida de Roissy às 7 h 12 min, retorno a Roissy no mesmo dia às 21 h 58 min, que representa 11 h 20 min de vôo efetivo, incluindo 8 h 55 min de vôo em velocidade supersônica.

Foi durante esta campanha que ultrapassará 02 de junho, entre Dakar e Rio, durante seu 151º voo, as 400 horas reais.

 Seu 158º vôo o levará de Paris – Roissy Charles de Gaulle a Toulouse em 06 de junho de 1974, e é durante seu próximo vôo, após quatro dias de manutenção, que ele ultrapassará a marca de 200 horas de vôo supersônico.

Resumo das horas de vôo até 1975

Ele fará, de Toulouse, para o seu 308º voo, em 04 de dezembro de 1975, um link direto no Atlântico Norte, para uma segunda visita a Gander (localizado na parte canadense de Terra Nova), um voo de 2 h 49 min, incluindo 1 h 49 min de voo em velocidade supersônica. Esta é uma última campanha de teste em condições de baixa temperatura, mas especialmente em condições de tempestade de neve, com o trem de pouso estendido. Ele permanecerá no solo por quatro dias e, em seguida, fará dois vôos no local, o primeiro de 12 minutos em 08 de dezembro e o segundo de 1 hora e 49 minutos em 09 de dezembro.

Ele retomará a rota direta para Toulouse, para seu 311º voo, em 11 de dezembro de 1975.

 No final de seu terceiro ano de campanha de teste, ele realizará durante esses 97 voos por um tempo operacional de 103 horas e 50 minutos, incluindo 81 horas e 55 minutos de vôo efetivo e 24 horas e 42 minutos de vôo supersônico. .

 No momento do seu 311º voo, o último de 1975, o tempo total de operação era de 650 horas e 33 minutos, incluindo 604 horas e 47 minutos de vôo real, com 278 horas e 17 minutos de vôo em velocidade supersônica.

Os últimos vôos 

Realizou seu 312º vôo, o último de longa duração, em 7 de janeiro de 1976. A duração efetiva seria de 3 h 21 min com 2 h 21 min em velocidade supersônica.

 Agora, 21 de janeiro de 1976 marcaria um grande dia na vida do ” Concorde 02 ”. De fato, este é o dia em que o primeiro voo comercial de aeronaves em série ocorre pelas duas companhias aéreas dos países que fabricam o supersônico. Esses serão os vôos, com decolagem simultânea Londres – Bahrain para a companhia britânica British Airways e Paris – Dakar – Rio de Janeiro para a companhia francesa Air France. 

 O Concorde 02 efetuou um último vôo de teste, de duração média, seu 313º em 29 de janeiro de 1976, partida e retorno Toulouse após 2 horas e 09 minutos de vôo real, incluindo, pela última vez, 44 minutos de vôo em velocidade supersônica .

Após realizarem a retirada de alguns equipamentos, o Concorde 02 ( F-WTSA) deixará Toulouse definitivamente em 20 de maio de 1976 para seu 314º e último vôo. Ele decolará pela última vez às 15 h 19 min para se juntar à equipe do aeroporto de Paris, que o buscará em Paris Orly Int. Airport, onde aterrisou às 16 h 26 min após 51 min de voo.

Para esta última missão, quanto ao seu primeiro vôo, o capitão é Jean Franchi, o segundo oficial é Gilbert Defer e como engenheiros de vôo os cmdtes Claude Durand e Ugo Venchiarutti.

Após seu 314º e último pouso, totaliza, para todos os seus vôos, um tempo operacional de 657 horas e 41 minutos por 610 horas e 58 minutos de voo real, incluindo 281 horas e 17 minutos em velocidade supersônica.

A chegada para exposição no Aéroport de Orly 

Apòs a chegada no Aeroporto de Orly, a aeronave foi então “desarmada”, com os motores retirados e muitas outras peças retiradas para servir nas aeronaves da Air France. Os armários dos equipamentos, localizados entre a porta da frente e a cabine, no lado esquerdo, foram removidos para permitir uma aproximação mais próxima a esta, fechada, necessariamente por uma divisória de plexiglás, e ter melhor visibilidade no painel de instrumentos.

No final de 1986, A.D.P. (Aeroporto de Paris), decidindo revisar o layout de sua infra-estrutura e os dois aviões não sendo mais uma de suas prioridades, eles foram ordenados a serem descartados. Infelizmente o prototipo do Caravelle 01 foi destruído, e o  Concorde 02 foi salvo, por pouco também não teve o tràgico destino do prototipo do Caravelle 01.

 Sob a liderança do Sr. Roland Payen, presidente fundador em 1985, com a cidade de Athis-Mons, da associação Athis Aviation que se tornará com a chegada da cidade de Paray Vieille Poste, Athis-Paray Aviation e com o apoio da pequena equipe ao seu redor e a ajuda de pessoas da ADP e da Air France, o Concorde 02 foi comprado por valor simbólico não revelado, pelo município de Athis-Mons.

Ele chegou ao Delta Museum em 12 de abril de 1988 para ser tratado pela equipe de voluntários da associação “Athis-Paray Aviation” Delta Museum reunida em torno de seu presidente, Sr. Roland Payen, ele próprio inventor da asa Delta e projetista da primeira aeronave desse tipo a voar, em abril de 1935, na Etampes Mondésir.

Para ver algumas imagens da chegada do Concorde 02 em Orly no seu derradeiro voo, acesse o site do Musée Delta Athis Mons: 

http://museedelta.free.fr/index.htm

#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item1 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0066-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item2 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0067-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item3 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0068-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item4 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0069-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item5 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0071-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item6 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0073-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item7 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0076-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item8 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0077-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item9 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0079-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item10 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0081-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item11 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0082-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item12 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0083-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item13 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0088-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item14 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0089-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item15 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0090-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item16 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0092-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item17 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0093-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item18 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0094-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e49e190239a7 .td-doubleSlider-2 .td-item19 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/Concorde-Athis-Mons-by-Yam-Wanders-2020DSC_0095-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}

Artic Edge 2020; U.S. Mariners realizam exercício em ambiente ártico extremo

O Artic Edge 2020 é um exercício de defesa territorial nacional, de responsabilidade do pelo Comando do Alasca sob a autoridade do Comando Norte dos EUA.

O Artic Edge vai preparar e testar a capacidade das forças militares de operar taticamente nas condições extremas de clima frio encontradas nos ambientes árticos.

O exercìcio é realizado com a participação de mais de 1.000 militares dos EUA de todos os ramos de serviço e membros do Comando de Operações Conjuntas do Canadá.

O Arctic Edge permite que os fuzileiros navais naveguem, se comuniquem e se mantenham eficazes, juntamente com treinamento de alta qualidade e eficaz nas condições extremas de clima frio encontradas nos ambientes árticos.

Integrantes do Departamento de Estratégia e Operações de Comunicação da Reserva das Forças dos Fuzileiros Navais estão entre os que documentam o exercício para manter atualizado os padrões operacionais para o restante da tropa de reserva.

Apreciem as excelentes imagens realizadas durante diversas fases do exercicio com fotos doStaff Sgt. Anthony Kirby, Sgt. Conner J. Downey e Lance Cpl. Jose Gonzalez:

#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item1 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86269439_10158024049579490_5807093769022996480_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item2 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86284782_10158024048389490_7808340871585202176_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item3 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86191669_10158025712909490_3872257306217414656_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item4 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86280081_10158025712749490_2674560140484542464_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item5 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86236497_10158025713174490_3908213642843127808_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item6 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86262612_10158025712829490_2965423627941445632_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item7 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86175862_10158025713044490_4776180177782702080_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item8 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86277930_10158024050204490_2653606876243034112_o-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item9 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86245666_10158024047584490_8916688724557824000_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item10 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86276289_10158024048019490_4826193551526199296_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item11 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86263011_10158024048779490_7503098915953049600_o-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item12 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86266079_10158024046379490_8658735514200834048_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item13 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86289102_10158024048359490_2835916388143464448_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item14 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86177341_10158024050584490_8056788838279806976_o-2-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item15 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86192060_10158024049814490_3617722666489741312_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item16 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86192449_10158024047709490_9007963544171315200_o-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item17 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86177341_10158024050584490_8056788838279806976_o-1-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item18 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86277930_10158024050204490_2653606876243034112_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item19 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86193633_10158024047454490_8592995082615914496_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item20 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85198407_10158024046324490_1760694187700781056_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item21 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86292968_10158024048289490_6077957341834117120_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item22 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86202781_10158024047629490_547076832332087296_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item23 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85259232_10158024046364490_7266259580139601920_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item24 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86266615_10158024046404490_7470674915050389504_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item25 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86251820_10158024048874490_4246237730930950144_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item26 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85253406_10158024049669490_5442410050129756160_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item27 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86258002_10158024046979490_1299654982055755776_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item28 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86291351_10158024050139490_7885354767688400896_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item29 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85245502_10158024050304490_7818344163950198784_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item30 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86278326_10158024048669490_8509232512990445568_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item31 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86242645_10158024049479490_5614863763137101824_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item32 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85156160_10158024049429490_5942819593184608256_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item33 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86230409_10158024048434490_2699260128036651008_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item34 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86278085_10158024050874490_1920327900070936576_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item35 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86272846_10158024050059490_1136470216495071232_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item36 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86263011_10158024048779490_7503098915953049600_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item37 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86200436_10158024049369490_5393454496766492672_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item38 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/85156160_10158024047894490_2248648815223504896_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item39 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86192449_10158024047709490_9007963544171315200_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}
#td_uid_1_5e499b6b183ca .td-doubleSlider-2 .td-item40 {
background: url(https://www.defesa.tv.br/wp-content/uploads/2020/02/86177341_10158024050584490_8056788838279806976_o-80×60.jpg) 0 0 no-repeat;
}