Comandante do SOUTHCOM, almirante Faller, alerta que potências estrangeiras geram preocupação quanto à segurança na América Latina

Durante evento do Grupo de Escritores de Defesa em Washington, no dia 6 de outubro, o comandante do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), almirante de esquadra Craig S. Faller, disse que percebeu que a Rússia, China, Irã e Cuba estão operando em diferentes capacidades na área de responsabilidade do SOUTHCOM.

Rússia

A Rússia, disse o almirante Faller, está ajudando a promover o regime de Nicolás Maduro na Venezuela com a venda de armas e assistência em segurança. Eles também operam em outros lugares, acrescentou.

“Estão tradicionalmente relacionados com países da região quanto à venda de armas, o que continua a acontecer especialmente na Venezuela, e na Nicarágua”, declarou o almirante.

“A Rússia enviou bombardeiros com capacidade nuclear, bem como o seu mais avançado navio de guerra, capaz de detonar mísseis nucleares em toda a região, tudo isso no ano passado. A Rússia já prestou assistência significativa à Venezuela.” completou.

Centenas de russos (tanto militares como empreiteiros) estão na Venezuela “ajudando Maduro a manter seu reinado de terror na nação”, acrescentou o SOUTHCOM. Na Nicarágua, a Rússia mantém um centro de treinamento de combate às drogas e ao terrorismo “com propósitos duplos duvidosos”, disse aos escritores de defesa.

As operações de informação russas são fortes na América do Sul também, com uma grande presença da mídia de língua espanhola. “É a maior operação da Rússia em outro idioma, fora da Rússia”, revelou. “Está recolhendo muitas informações naqueles espaços, para depois divulgar desinformação.”

O almirante Faller lembrou que em uma ocasião estava em Washington, reunindo-se com parlamentares, e os veículos de propaganda russos informaram que ele estava na fronteira entre Colômbia e Venezuela planejando uma invasão à Venezuela.

China

A China tem verdadeiros interesses econômicos na região, disse o almirante Faller, mas o país também está envolvido profundamente na área de informação, incluindo tecnologia de informação, âmbitos cibernéticos e espaciais.

“Suas vendas de armas cresceram”, disse. “Eles enviaram alguns recursos, o que cresceu de forma consistente nos últimos anos. Também estão incrementando o seu engajamento militar.”

O comandante do SOUTHCOM comentou que os chineses fundaram escolas e centros de treinamento em espanhol e, além das vendas militares, forneceu equipamentos a diversas nações.

Há uma evidência significativa dos investimentos nos sistemas de armas chineses e russos na área de responsabilidade do SOUTHCOM, revela o almirante.

“As vendas dos sistemas de armas russos envolvem bilhões e as da China estão crescendo. A China também está oferecendo gratuitamente uma grande quantidade de equipamento militar aos […] parceiros. Na medida em que isso prejudica as parcerias com os EUA e contribui para a instabilidade […], representa uma preocupação para a segurança dos EUA.”

Dezenas de projetos chineses de infraestrutura na América do Sul estão aumentando a instabilidade, disse Faller, ressaltando que a China está trabalhando em 56 negociações portuárias na região.

Algumas dessas negociações estão atadas a acordos de arrendamentos onerosos e alguns desses acordos deixaram as nações anfitriãs com pouco acesso e pouco controle sobre o que os chineses construíram.

Em uma nação parceira, declarou, uma estrada construída pelos chineses tem um contrato de arrendamento de 99 anos, onde a China tem direitos de propriedade territorial de ambos os lados.

“São milhares de acres, e eles têm a capacidade para controlar os pedágios naquela estrada durante 99 anos”, disse o almirante. “Esse é o preço que se paga por deixar que os chineses cheguem e construam uma estrada. Estamos monitorando isso de perto com atenção; isso gerou um caráter de urgência que eu sinto em relação à segurança em geral.”

Cuba

Enquanto a Rússia tem centenas de pessoas na Venezuela, Cuba tem milhares. Na realidade, disse aos escritores, 100 por cento da “guarda palaciana” venezuelana que protege Maduro é composta por cubanos.

Irã

Quanto à atividade terrorista, a influência e a presença iraniana são sentidas na América do Sul, declarou.

“Descobrimos planos terroristas”, revelou. “Sabemos que há uma presença significativa do Hezbolá libanês em toda a região, com conexões com membros do Hezbolá no Líbano e no Irã […]. A mão iraniana está aí. O Irã é o maior patrocinador estatal do terrorismo do mundo. E o longo braço da malignidade iraniana está vivo e presente no mundo inteiro, não apenas no Oriente Médio. Estamos constantemente vigiando isso, junto com os parceiros interagenciais.”

Chave para combater as ameaças

O almirante Faller explica que o fortalecimento das parcerias dos EUA na área de responsabilidade do SOUTHCOM é essencial para combater as ameaças da Rússia, China, Irã e Cuba.

A melhor abordagem é trabalhar com essas nações parceiras, conhecer suas necessidades e determinar como essas necessidades apoiam a defesa do hemisfério e dos Estados Unidos, disse. “É nisso que nos concentramos”, acrescentou. “E as coisas são diferentes de um país a outro.”

  • Por: C. Todd Lopez / Relações Públicas do Comando Sul, via Dialogo Américas

O post Comandante do SOUTHCOM, almirante Faller, alerta que potências estrangeiras geram preocupação quanto à segurança na América Latina apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Força Aérea Indiana deseja equipar seus caças Su-30 com radar de nova geração utilizado nos Su-35 russos

Segundo publicação feita pela revista Military Watch, a Força Aérea Indiana (IAF) estuda a viabilidade de equipar parte de sua frota de caças Su-30MKI com o novo radar russo Irbis-E, projetado para os caças Su-35.

A decisão da IAF de integrar o Irbis-E nos caças Su-30MKI de geração 4+, estaria ligada à ascensão de caças furtivos da China e aos planos do Paquistão de desenvolver seus próprios caças furtivos como parte do projeto AZM.

A instalação do radar é apenas “uma das várias medidas que devem ser aplicadas para que os caças alcancem o nível dos caças da geração seguinte”, segundo a publicação.

A Índia considera ainda a possibilidade de equipar a aeronave com novos motores baseados nos utilizados pelo Su-35, bem como dotar o avião de novos mísseis ar-ar, como o R-37M.

Mesmo com estas modificações, a Índia estaria pensando em adquirir caças Su-35 para produção licenciada no país, o que permitiria obter muitas tecnologias importantes que poderiam ser integradas na frota existente de caças Su-30MKI,

“É provável que o SU-30 MKI continue sendo o caça mais capacitado da Índia em um futuro próximo. Com quase 300 em serviço, formará a maior parte da frota do país durante as próximas décadas”, segundo a revista.

No entanto, a mídia indiana Zee News informou que a Índia terá sua própria aeronave de quinta geração em breve, que competirá com o F-22 e o F-35 norte-americano, bem como com o chinês J-20 e com o Su-57 russo.

  • Com agências internacionais

O post Força Aérea Indiana deseja equipar seus caças Su-30 com radar de nova geração utilizado nos Su-35 russos apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Vladmir Putin declara que todas as tropas estrangeiras ilegais devem deixar a Síria

“A Síria deve estar livre da presença militar de outros estados. E a integridade territorial da República Árabe da Síria deve ser completamente restaurada”, afirmou Putin.

“Todas as forças militares estrangeiras estacionadas ilegalmente na Síria devem se retirar do país”; disse o presidente russo Vladimir Putin em entrevista publicada no sábado.

“Todas as forças desdobradas ilegalmente dentro de qualquer Estado soberano – neste caso a Síria – devem sair”, disse Putin à RT Arabic, Sky News Arabia e Al-Arabiya antes de sua turnê pela Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos na segunda e terça-feira.

A Rússia também retirará suas tropas da Síria se Damasco não precisar mais da ajuda de Moscou, disse Putin à RT.

“A Síria deve estar livre da presença militar de outros estados. E a integridade territorial da República Árabe da Síria deve ser completamente restaurada”, disse Putin, acrescentando que discutiu abertamente a questão com parceiros iranianos, turcos e norte-americanos.

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou que a Síria precisa se livrar de qualquer tupo de presença militar estrangeira, o que se refere a todos os países.

A informação foi dada pelo próprio presidente Putin em entrevista a veículos de comunicação árabes.

Putin sublinhou que todos os que estão na Síria de forma ilegítima devem sair do país, adicionando que isso abrange todos os países. “E tal como eu lhe direi agora, eu disse abertamente aos meus colegas: o território da Síria deve ser libertado da presença militar estrangeira e a integridade territorial da República Árabe Síria deve ser completamente restabelecida”, disse Vladimir Putin. “Se as futuras autoridades legítimas da Síria disserem que não precisam mais da presença das Forças Armadas da Rússia, isso também se refere à Federação da Rússia, com certeza”,

Todas as declarações do presidente russo foram dadas em entrevistas aos canais de televisão Al Arabiya, Sky Nеws Arabia e RT Arabic nesse sàbado dia 12/10/2019.

  • Com informações do Al Arabiya, Sky Nеws Arabia e RT Arabic via redação Orbis Defense Europe.

O post Vladmir Putin declara que todas as tropas estrangeiras ilegais devem deixar a Síria apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

EUA confirma envio de mais tropas e equipamentos à Arábia Saudita

O Departamento de Defesa dos EUA confirmou nesta sexta-feira (11), o envio de 2.000 soldados a mais, e equipamentos na ajuda militar à Arábia Saudita. O anúncio ocorre menos de um mês após os ataques com drones e mísseis contra refinarias da Aramco uma das maiores produtoras de petróleo no mundo.

“O secretário de Defesa, Mark Esper, informou ao príncipe herdeiro e ministro da Defesa saudita, Mohammad bin Salman, nesta manhã sobre a mobilização para garantir e melhorar a defesa da Arábia Saudita”, disse, em comunicado, o porta-voz do Pentágono, Jonathan Hoffman.

Os reforços consistirão principalmente em, no mínimo, 36 aeronaves militares de vários tipos, além de sistemas de defesa antimíssel.

De acordo com o comunicado, desde maio, o Departamento de Defesa aumentou o número de forças para aproximadamente 14.000 na zona de responsabilidade do Comando Central dos EUA, que inclui o Oriente Médio e a Ásia Central, “como um investimento na segurança regional”. Três mil soldados foram enviados à Arábia Saudita apenas no último mês.

Desde julho, os americanos já tinham realizado outras duas ações de reforço militar aos sauditas.

  • Com informações do Wall Street Journal

O post EUA confirma envio de mais tropas e equipamentos à Arábia Saudita apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Pentágono confirma que militares turcos abriram fogo contra tropas dos EUA na Síria

O Pentágono confirma que militares turcos abriram fogo contra soldados americanos em um posto em Kobani, na Síria, nesta sexta-feira (11). Nenhum militar se feriu. Segundo comunicado, houve uma explosão a menos de 100 metros de um posto localizado do lado de fora da zona de segurança da fronteira entre Síria e Turquia.

O Pentágono alega que a Turquia sabe da presença dos militares norte-americanos no local. O governo turco se defendeu, e disse que os EUA não eram o alvo do ataque. O governo dos EUA ainda alertaram que a Turquia deve evitar ações do tipo, que podem resultar em “ação defensiva imediata”.

Apesar do anúncio da desmobilização dos militares norte-americanos na região do Curdistão sírio, o Pentágono afirmou que as Forças Armadas dos EUA ainda não saíram de Kobani.

Conflito na região

A Turquia começou a atacar posições curdas no lado sírio da fronteira a partir da quarta-feira. O governo do presidente turco Recep Tayyip Erdogan considera terroristas os combatentes curdos – enquanto os EUA financiavam essas milícias porque elas enfrentavam extremistas do Estado Islâmico.

Com a retirada norte-americana, a Turquia viu caminho livre para atacar milícias curdas. O presidente norte-americano, Donald Trump, alertou que “destruiria a economia turca” em caso de ataque. Porém, até agora, a Casa Branca apenas autorizou sanções contra o governo de Erdogan, sem no entanto começar a aplicá-las.

Além da morte de civis, críticos alertam que o efeito colateral da retirada será o retorno do Estado Islâmico na região – afinal, os curdos combatiam os extremistas. Nesta sexta-feira, houve relatos de que militantes do grupo islamita fugiram das prisões após mais um dia de ataques na região.

Dia tenso

A ofensiva ocorre em uma sexta-feira tensa na fronteira entre a Turquia e a Síria, onde vivem os curdos. Caças e fogo de artilharia turcos alvejaram os arredores de Ras al-Ain, uma de duas cidades fronteiriças sírias que são o foco da ofensiva. Jornalistas da Reuters situados na cidade turca de Ceylanpinar, do outro lado da fronteira, ouviram tiros.

Um comboio de 20 veículos blindados transportando rebeldes sírios aliados da Turquia entrou na Síria por Ceylanpinar. Alguns fizeram sinais de vitória, bradando “Allahu akbar” (Deus é grande) e acenando com bandeiras dos rebeldes sírios ao avançarem rumo a Ras al-Ain.

Houve também relatos de explosões de carros bomba em Qamishli, cidade controlada pelos curdos. Três pessoas morreram nesse ataque. O número de mortos não está claro. O governo turco diz que 277 “terroristas” morreram desde o início dos ataques. O

utras fontes dizem que o total de vítimas está em torno de 100, incluindo 17 civis, além de dezenas de combatentes curdos e rebeldes sírios apoiados pela Turquia. Além disso, autoridades turcas dizem que nove civis foram mortos do lado da fronteira por ataques de retaliação.

  • Com agências internacionais e G1

O post Pentágono confirma que militares turcos abriram fogo contra tropas dos EUA na Síria apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Presidente ucraniano revela não querer fazer uso da força militar para recuperar Donbass e Crimeia

“Eu, como presidente, não estou pronto para perder nossas pessoas, por isso escolhi a diplomacia. Eu sempre digo que, se nós estamos falando de pessoas e territórios, a primeira prioridade são as pessoas, enquanto a segunda é o território. Eu quero tentar encontrar um caminho (para a crise) graças ao Acordo de Minsk e ao Quarteto da Normandia”, disse Zelensky.

Com este pronunciamento forte e patriótico o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, disse não considerar recorrer à força militar para retomar a região de Donbass e a Crimeia. O presidente defendeu a preservação da vida dos ucranianos ao invés do conflito armado. Zelensky ressaltou ainda que, o povo ucraniano, não escolheu um presidente para os conduzir a uma guerra.

Crise sem fim

A Crimeia foi incorporada à Rússia em 2014 após um referendo realizado em março do mesmo ano. Na ocasião, 96,77% dos participantes disseram ser a favor da integração da Crimeia à Rússia.

Para o presidente russo, Vladimir Putin, a questão da Crimeia é um assunto encerrado, visto que sua incorporação à Rússia foi feita de acordo com os princípios do Direito Internacional.

O referendo foi realizado logo após um golpe de Estado ter ocorrido na Ucrânia. Como resultado, o presidente do país, Viktor Yanukovich, foi derrubado, tendo sido instaurado um novo governo.

Desde então, a Ucrânia insiste que a Crimeia configura como parte de seu território, mas que está “temporariamente ocupada”.

Repúblicas autoproclamadas

Após a Ucrânia declarar sua independência, outras duas regiões de Donetsk e Lugansk  a fizeram também de maneira unilateral. Como resposta, Kiev lançou uma campanha militar contra Donetsk e Lugansk, que já causou a morte de 13.000 pessoas, segundo a ONU.

  • Com agências internacionais

O post Presidente ucraniano revela não querer fazer uso da força militar para recuperar Donbass e Crimeia apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Submarino secreto Chinês é uma grande incógnita

A primeira imagem de um novo submarino secreto chinês se torna pública. Até o momento, tanto o nome como as características da embarcação ainda não foram divulgados pela China. O submarino em questão tem um formato diferente dos demais e com isso se torna uma incógnita.

Como se vê na foto logo abaixo, supostamente de seu lançamento, o submergível não tem uma vela característica como os demais submarinos. De acordo com o especialista naval, H. I. Stutton, a embarcação foi feita sob sigilo total e seu lançamento fora em outubro do ano passado.

“Tanto o nome quanto o designer deste submarino ainda não foram revelados”, escreveu H. I. Stutton em um artigo na revista Forbes.

Informações via satélite

Segundo Stutton, algumas informações sobre o submarino foram obtidas por imagens tiradas via satélite.

“Graças a nova análise de imagens de um satélite comercial, que fotografou o novo submarino fora do estaleiro, nós agora sabemos que ele tem 47 metros de comprimento e cerca de 4,5 metros de largura”, disse Stutton.

Acredita-se que a embarcação possa não ser tripulada, o que o tornaria o maior submarino não tripulado do mundo. No entanto, segundo Stutton, a embarcação poderia fazer parte de experimentos da China para o desenvolvimento de novos submarinos de ataque do país.

  • Com agências internacionais

O post Submarino secreto Chinês é uma grande incógnita apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Governo turco estuda fechar base aérea aos EUA em resposta às ameaças recebidas

O líder do partido turco Vatan, Dogu Perincek, em entrevista a jornalistas nesta quarta-feira (09) revelou que o governo avalia fechar a base aérea de Incirlik aos EUA, como resposta às ameaças do presidente dos EUA, Donald Trump.

Na última segunda-feira (7), Donald Trump, postou um mensagem em seu Twitter que iria “destruir e aniquilar” à economia da Turquia, caso os turcos façam algo que ultrapasse “os limites” do permitido na Síria.

“A melhor resposta que a Turquia pode dar em resposta às ameaças dos EUA é iniciar a cooperação com Damasco e fechar urgentemente a base de Incirlik para os EUA. Os EUA se comportam com o nosso país como inimigos, e lá já começaram a soar vozes sobre a expulsão da Turquia da OTAN”, disse Perincek.

Segundo ele, os EUA forneceram 30.000 caminhões com armas para o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), organização classificada como terrorista na Turquia. “Isto abriu uma verdadeira frente contra a Turquia, mostrando mais uma vez que, os EUA veem a Turquia como inimigos”, acrescentou Perincek.

Operações na Síria

O presidente turco, Tayyip Erdogan, falou no dia 5 de outubro que a decisão sobre a operação turca no norte da Síria ao leste do Eufrates pode ser tomada nos próximos dias.

No dia seguinte a este pronunciamento, o Departamento de Estado dos EUA declarou que as forças militares dos EUA não irão participar da operação militar da Turquia e deixarão a área de atuação.

Forças Democráticas da Síria (SDF) disseram, no dia 7 de outubro, que os EUA se retiraram da fronteira com a Turquia no norte da Síria, violando os acordos alcançados com as formações curdas suas aliadas.

Neste mesmo dia o Departamento de Estado enviou nota revelando que os EUA não estão retirando todas as tropas da Síria, mas sim se deslocam as que estão do norte, entretanto estariam falando de apenas 50 militares.

  • Com agências internacionais

O post Governo turco estuda fechar base aérea aos EUA em resposta às ameaças recebidas apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Turquia lança ofensiva no norte da Síria

A Turquia lançou uma ofensiva militar no nordeste da Síria. O presidente turco Erdogan disse que a operação é chamada “Operação Primavera da Paz”, acrescentando que está mirando também militantes do Estado Islâmico (IS), juntamente com combatentes curdos sírios conhecidos como Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG).

A Turquia considera que os militantes do YPG estão ligados ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que lutou contra uma insurgência de quatro décadas pelos direitos curdos contra o estado turco.

“Nossa missão é impedir a criação de um corredor terrorista em nossa fronteira sul e trazer paz à área”, disse Erdogan no Twitter.

“Vamos preservar a integridade territorial da Síria e libertar as comunidades locais dos terroristas”.

“A intenção da Turquia é clara: desmantelar o corredor terrorista em nossa fronteira”.

Várias grandes explosões foram relatadas na cidade síria de Ras al-Ayn, através da fronteira com a cidade turca de Ceylanpinar, quando a operação começou na quarta-feira.

As notícias estatais turcas também informaram que as bombas de artilharia turcas suspeitavam de posições curdas sírias na cidade de Tal Abyad, a cerca de 100 quilômetros a oeste.

Uma fonte do YPG disse à agência de notícias Reuters que a artilharia turca estava atacando bases e depósitos de munição do YPG.

Operação era esperada

A operação turca começou depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na noite de domingo que os EUA retirariam suas tropas da região de fronteira, permitindo essencialmente que a Turquia iniciasse operações militares contra as Forças Democráticas Sírias (SDF) lideradas pelos curdos na Síria.

Um porta-voz da SDF disse no Twitter que os caças turcos estavam atingindo alvos e “áreas civis” na região.

Esta é a terceira ofensiva militar em três anos que a Turquia lançou visando o YPG, que lidera o SDF e foi aliado ao esforço liderado pelos EUA para derrotar o EI na Síria.

A retirada de forças americanas de Trump tem sido amplamente criticada em Washington como uma traição aos aliados curdos dos EUA no norte da Síria.

Alemanha e UE pedem moderação

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, condenou a ofensiva turca na quarta-feira “nos termos mais fortes possíveis” e pediu a Ancara que encerre a operação e busque seus interesses de segurança pacificamente.

A Turquia está tolerando a desestabilização da região e corre o risco de ressurgir o EI “, disse Maas em Berlim na quarta-feira.

Maas acrescentou que as ações da Turquia podem levar a uma crise humanitária na região e desencadear uma nova onda de refugiados na região.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, pediu na quarta-feira à Turquia que interrompa imediatamente a operação e pediu moderação por todos os lados. Juncker também alertou que a UE não financiaria uma “zona segura” dentro da Síria.

“Se o plano turco envolver a criação da chamada zona segura, não espere que a União Europeia pague por nada”, disse Juncker a parlamentares da UE em Bruxelas.

Com informações da Deustche Welle e AFP via redação Orbis Defense Europe.

O post Turquia lança ofensiva no norte da Síria apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo

Marinha Real britânica escolta navios da Frota do Báltico russa através do canal da Mancha

Segundo um comunicado publicado em seu site, a Marinha Real britânica, informa que o navio-patrulha HMS Mersey, escoltou três navios da Frota do Báltico da Rússia ao longo da costa britânica em direção ao canal da Mancha, durante três dias desde o último sábado (5).

“O navio britânico deve completar sua missão ainda hoje (8), quando os navios russos deixarem as águas britânicas”, disse a Marinha no comunicado.

O destacamento russo era composto pelo navio-patrulha Yaroslav Mudry, o petroleiro Yelnya e o rebocador Victor Konetsky, que deixaram a cidade de Baltiysk, na região de Kaliningrado, no dia 1° de outubro e se dirigem para o oceano Índico através do Atlântico.

Esta não é a primeira vez que a Marinha Real britânica acompanha navios de guerra russos que passam na área do canal da Mancha. Em maio, a fragata HMS Northumberland escoltou o navio pesado antissubmarino Severomorsk.

Manobras navais

Os navios irão participar, pela primeira vez, da parte marítima dos exercícios russo-indianos Indra 2019, que serão realizados entre os dias 10 e 19 de dezembro no oceano Índico.

O post Marinha Real britânica escolta navios da Frota do Báltico russa através do canal da Mancha apareceu primeiro em DEFESA TV.


Source: DefesaTV Mundo